sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Entretanto, ontem em Saturno...

Saturno, 18 de dezembro de 2014.

O espetáculo mais maravilhoso do sistema solar, que o diferencia dos outros, é o planeta com anéis. Quantas vezes, viajantes recém chegados o admiraram, quantas vezes terrestres, marcianos, ranianos e hiperbóreos o viram como símbolo do lar, após uma longa jornada desde as estrelas! Mas isso seria no futuro.


Hoje, o gigante gasoso é um ponto de chegada e decisão para os tripulantes da Wodan.

Não chegavam ainda à órbita de Phoebe quando Olaf entrou na ponte e deparou com os amotinados. Na longa e desesperada viagem; estes ganharam silenciosamente toda a tripulação.

–O quê significa...? – perguntou Olaf.

–...Isto? – completou Regert com a pistola na mão – Significa que os terrestres nos deixam viver a todos em troca da Ilustre Dama... E do senhor, capitão.

–Malditos! – gritou Olaf, levando à mão à pistola, mas sem êxito, porque foi imediatamente imobilizado e amarrado por muitas mãos.

Nesse momento entrou Inge, com sua gravidez agora bastante ostensiva.

–Terminado o serviço; senhora – disse o comandante Regert, que em todo momento tinha liderado o motim.

–O comunicador está a sua disposição – acrescentou Schultz.

–Obrigada, senhores – disse ela sorrindo – Agora; meu desprezível Olaf; vou chamar à Hércules e você ficará a disposição do meu marido.

Ulfrum ficou pálido.

–Por favor, Regert, não faça isso! – choramingou o outrora temível senhor feudal de Enéas-1172 – Não me entregue a eles!

–Seja homem uma vez na vida! – gritou Petersen irritado – Cadê sua honra?

*******.

–Inge! Estás bem? E o bebê?

–Estou bem, querido, e o bebê está ótimo.

–Qual a situação?

–Domino a situação agora.

–E o maldito?

–Olha-o – disse ela, com um sinal para que Ulfrum fosse posto na tela.

–Por favor, não me matem!

–Cale-se maldito. Quero que deponham as armas e serão perdoados.

–Será feito. Ulfrum está amarrado – disse Regert.

–Pare as máquinas e prepare-se para abordagem.

–Sim, capitão. Petersen! Parada total!

–Mas vale que não seja um truque, porque senão...

–Nós não somos como ele, capitão. Temos honra – disse Schultz.

–Honra? Vocês atiraram em mim e meus amigos em Ganímedes.

–Não, capitão – disse Regert – Foi o pessoal de Wilfred West. Nós estávamos a bordo esperando Ulfrum. Ele veio com a Ilustre Dama, para nossa surpresa.

–Confie em nós – disse Petersen – eu devo minha vida a ela.

–Confiarei. Por enquanto.

*******.

Para efetuar a transferência, Inge tinha que vestir uma roupa espacial. O tubo de abordagem da Hércules não era compatível com a escotilha da Wodan. Inge estava com oito meses de gravidez e seu velho traje já não lhe servia, por isso os troianos adaptaram um traje de homem bem folgado. 

Entretanto, Olaf devia ser desamarrado para vestir seu traje, o qual vestiu com rapidez. Aproveitando uma distração, bateu em Schultz com uma mochila, e escapou para as dependências inferiores da nave.

–Vão me pagar, traidores!

–Peguem-no! – gritou Regert.

Mas era tarde. Olaf chegou ao hangar e abordou um Horten M-2020. Na Hércules produziu-se um rebuliço ao ver partir o caça. Aldo gritou:

–Sabia que estavam mentindo! Vou matar todos vocês!

–Não, Aldo! – gritou Inge a meio vestir – Olaf fugiu, que não escape!

–Antes virás a bordo! Grubber, Wassermann e Simon vão te pegar.

–Sim, mas vou demorar um pouco com este traje, Aldo.

Os antárticos entraram na Wodan. Inge, vestida e equipada, abraçou os amigos.

–Agora me tirem daqui, rapazes.

De repente a nave tremeu.

–Olaf está atirando em nós! – gritou Petersen.

–Primeiro vocês, traidores! – gritou Ulfrum pelo rádio.

–Ele pode nos danificar seriamente – disse Regert – Petersen! Tire-nos daqui!

–Espere! E eu? – disse Inge em desespero.

–A senhora? Agarre-se forte porque vou acelerar – disse o piloto.

A Wodan lançou-se para adiante com violência e assim esquivou um disparo de phaser do Horten M-2020, que bateu na Hércules sem maiores conseqüências. Em seguida a Wodan desapareceu de cena e Olaf pôde ver o canhão marciano da Hércules girando em sua direção. Não foi tão estúpido como para ficar aí e escapou rumo a Saturno a toda velocidade.

*******.

O duelo.

–Vocês vão atrás da Wodan que eu me encarrego do maldito – disse Aldo enquanto embarcava no caça número 001.

–Sim, capitão – disse Boris.

–Quer que o acompanhe? – perguntou Kowalsky, já abordando seu avião.

–Não, amigo. Isto é pessoal.

–Entendi, capitão.

Olaf Ulfrum percebeu entre arrepios que o seu perseguidor estava cada vez mais perto e não atirava. Logo foi alcançado pelo caça CH-3, que se colocou do seu lado como se estivesse parado. De soslaio viu o número 001 na fuselagem.

–É ele! – pensou apavorado.

Olaf acelerou seu Horten-2020 ao máximo. Seus motores já estavam quase incandescentes e o CH-3 parecia quieto ao seu lado. Olaf tentou uma manobra lateral.

O outro lhe seguiu, quase tocando a ponta da sua asa esquerda. Em seguida o troiano tentou todas as manobras possíveis: esquerda, direita, acima, embaixo... Mas o terrestre adivinhava suas manobras. Por fim Olaf não pôde mais.

–O quê quer? – gritou pelo rádio.

–Pergunta idiota. – disse Aldo, dando uma gargalhada de gelar o sangue.

Olaf teve uma idéia. Ligou os freios.

Aldo descuidou-se e seguiu adiante. Só conseguiu desacelerar oito mil kms depois. Os instrumentos lhe disseram que tinha um míssil à popa. Passaram os segundos e Olaf atento ao radar, viu o curso do seu disparo que ia direto ao avião de Aldo parado no espaço. Então se produziu um silencioso clarão nuclear.

–Matei o terrestre! Matei o desgraçado! Eu sou o melhor!

Olaf ria e chorava ao mesmo tempo:

–Deviam ver esses traidores! Eu sou Olaf Ulfrum, o Temível! Matei o maldito! Matei! Estão me ouvindo traidores? Matei o terrestre!

*******.

Titã.
A aceleração a que tinha sido submetida a Wodan, levou-a às imediações da órbita de Titã, a maior lua de Saturno, quase do tamanho de Marte, e com uma atmosfera que outrora acreditava-se era composta de metano.

–Metano nas camadas altas; a atmosfera é bem grossa – disse o Dr. Valerión, atento ao espectrógrafo da Hércules, afetado pela proximidade de Saturno.

Um exame detalhado com os sensores ranianos adaptados ao computador positrônico, cedido pelos tripulantes da Analgopakin, indicou que a atmosfera era mais rica que a de Marte, tinha 80 por cento de nitrogênio e 18 por cento de oxigênio.

–Poderemos respirar aí – disse a Dra. Lídia – a pressão parece a da Terra a quatro mil metros de altura, como nos Andes ou o Himalaia.

–Se a influência que Saturno exerce em suas luas é semelhante à de Júpiter, atrevo-me a dizer que a temperatura deve ser tolerável – acrescentou Valerión.

Boris, no comando, entrou em contato com a Wodan:

–Regert! Você vai descer aí?

–Sim, porquê não?

–Está bem. Vou atrás.

Imediatamente Boris ordenou aos pilotos:

–Ivan, Tom e Alan! Escoltem a Wodan. Abram bem os olhos...! Boris para Ives! Vá atrás do capitão. Briga pessoal ou não; não quero que fique sozinho com esse louco. Adolphe e Jacques! Abordem suas naves e escoltem nossa descida.

As naves entraram na atmosfera de Titã, fazendo uma espiral descendente. A Hércules foi atrás da Wodan, que se dirigiu à calota polar, o lugar mais seguro para descer, com grandes planícies brancas.

–Regert! Vai descer aí?

–Parece um lugar tão bom como qualquer outro, e é bem plano.

–De acordo. Vou atrás. Nebenka!

–Senhor?

–Desligar impulso, ligar manobradores e antigravitação.

*******.

A Wodan pousou verticalmente numa superfície plana, branca e gelada.

Deixou profundas marcas na neve endurecida. No horizonte, umas árvores pareciam pinheiros de Natal. No lado oposto, uma cordilheira de cumes nevados e vegetação abundante nas ladeiras. A temperatura era quinze graus negativos e não soprava a menor brisa, embora se percebiam umas nuvens cinzentas aproximando-se sobre as montanhas. Não estava totalmente escuro. O sol era uma enorme estrela amarela e do lado oposto, a luminosidade da enorme massa de um anel de Saturno reinava absoluta num extremo do céu negro e estrelado.

Inge foi a primeira em colocar os pés no chão; seguida de Wassermann e alguns tripulantes troianos. Com o traje espacial dilatado pela barriga de oito meses; Inge parecia um ser grotesco. Tirou o capacete, liberou os cabelos de ouro e respirou o ar frio como o da Noruega, sua terra natal.

–Planeta lindo! – suspirou – Sinto-me em casa.

–Parece Antártica – disse Wassermann.

A Hércules apareceu com ensurdecedor rugido, no meio da fumaça dos freios e pairou pesadamente até pôr-se à par da Wodan. Desceu devagar, baixou as rodas e tocou a neve que se derretia com o calor dos manobradores. Logo foi enterrando-se, para o pavor de Inge e os outros.

–Estamos num lago gelado! Não acho que vai suportar o peso da Hércules!

–Boris, sobe! – gritou Inge.

–Tarde demais!

O peso e o calor dos motores ainda incandescentes; rachou o gelo de um metro de grossura. O trem esquerdo afundou primeiro, entortando a nave, que afundou na água gelada, fazendo-a ferver em meio de nuvens de vapor.





*******.

Um lugar para morrer.
Ives viu a explosão no espaço e acelerou nessa direção. Viu o Horten de Olaf e ouviu suas bravatas. Mas se fosse verdade não estaria vendo aquele ponto no radar.

–Capitão! É o senhor?

–Estou me divertindo com as palhaçadas do idiota.

–Deve estar louco.

–Sim. Desde que nasceu.

Olaf ouviu a conversa:

–Mas eu vi uma explosão...

–O escudo a deteve. Pensa que está tratando com vulgares piratas milkaros?

–Vejo outra nave. Chamou ajuda, terrestre!

–Não chamei, a coisa é entre você e eu – disse Aldo disparando o laser.

A cabine do M-2020 esquentou e Olaf acelerou em direção aos anéis.
Se alguma virtude Olaf possuía, para compensar seus muitos defeitos, era sua destreza pilotando um Horten M-2020. Manobrava muito bem e esquivava a maioria dos disparos do seu oponente.

Ives ficara em segundo plano, deixado atrás a cem mil kms de distância. Mas ele foi se aproximando rapidamente para não perdê-los de vista, como prometera ao comandante Boris. Saturno exercia muita força gravitacional e havia que acelerar muito. Não que fosse difícil para pilotos habituados a manobrar nas imediações de Júpiter, planeta bem maior.

Os anéis, compostos de pedras grandes como montanhas e de enormes icebergs de gelo sujo, ficavam mais difusos quanto mais perto. Os rivais perseguiam-se mutuamente, a dezenas de milhares de kms por hora, por entre o labirinto das enormes massas, trocando torpedos, raios e rajadas de balas explosivas. A separação entre as moles era às vezes de centenas de kms, mas à enorme velocidade em que ambos moviam-se, qualquer erro poderia destruí-los instantaneamente.

Já não mais se comunicavam. Alvejavam-se raivosamente e às vezes acertavam. Aldo viu que estava ficando sem munição e decidiu elevar-se do plano dos anéis para poder observar de cima onde seu inimigo estava. Uma vez encima, viu que Olaf teve a mesma idéia e praticamente pareceu que pularam juntos. Estavam longe demais um do outro, pelo que era inútil disparar mísseis, que seriam facilmente destruídos com laser. Também era longe para balas e canhões marcianos, pelo que Aldo usou o laser, mais efetivo, por ser instantâneo. Acertou várias vezes, mas o troiano sempre saia do lugar. Olaf agora lutava por sua vida, estava mais inteligente, mais calculador. Percebeu que cada vez que Aldo atirava, era obrigado a desligar o escudo por uma fração de segundo. Com esta idéia na cabeça aproximou-se sem deixar de disparar, mas guardando um míssil para o final.

Ambos gastaram a munição. Aldo estava já quase sem deutério, por causa das repetidas acelerações para vencer a força gravitacional, e o laser era a última arma que lhe restava. Olaf disparou seu último torpedo e foi colocando-se a tiro. 
Aldo concentrou o laser nele por vários segundos, uns preciosos segundos sem proteção, o suficiente para o torpedo acertá-lo.

*******.

Aldo e Olaf estavam juntos demais e Ives viu que devia intervir. Acelerou e em segundos pôde presenciar o final do duelo. Aldo percebeu o truque, mas era tarde, acelerou, mas o míssil explodiu perto dos tubos de popa antes do escudo se fechar. 
Justamente na popa, onde era mais fraco por causa do escape do motor. A explosão foi suficiente para apagar os tubos e Aldo ficou à deriva sem energia. Olaf também não teve sorte, o laser queimara muita coisa na cabine, esquentando o metal até a incandescência. A temperatura estava tão alta que Olaf teve que a abandonar o Horten, por temor da explosão iminente. Aldo já se aproximava voando com o impulsor da mochila. Olaf acelerou seu cinturão foguete rumo aos icebergs. Aldo voava entre as moles, chegando perto de Olaf, que disparou a pistola e errou. Aldo respondeu o fogo e acertou-lhe na luva. Enquanto os homens trocavam tiros, os aviões foram atraídos por uma massa flutuante. Ives; com o sensor ligado percebeu o que ia acontecer.

–Capitão!

–Agora não, Ives.

–Mas, capitão...!

–Estou ocupado – respondeu Aldo esquivando um disparo.

–Vai a ocorrer uma explosão, capitão!

–Deixe explodir – disse Aldo, atirando.

Os rivais pousaram frente a frente sobre a superfície de uma mole de gelo.

–Chegou sua hora, Ulfrum.

–Veremos – disse Olaf, disparando vários tiros que deram de cheio no peito de Aldo, protegido pela armadura, fazendo-o escorregar para trás.

–Veremos quem agüenta, Ulfrum.

A melhor armadura venceria. Os dois atiravam e cobriam o rosto com o braço para proteger o visor, procurando acertar no visor do outro.
As naves explodiram numa silenciosa luz atômica, do outro lado de uma montanha de gelo, sem atingir os lutadores. A imensa mole, em parte derretida, em parte quebrada, deslocou-se impulsionada pelos seus próprios gases para onde os inimigos se enfrentavam. Deveriam morrer ambos esmagados.

Aldo percebeu a enorme sombra que se aproximava e abandonou a luta, voando com seu impulsor paralelo ao solo. Olaf pensou que tinha vencido, quando, percebeu a sombra, olhou para cima e viu o que estava vindo. Foi rápido para ligar o cinturão impulsor e voar na mesma direção do seu oponente, mas já era tarde. Ambos blocos chocaram-se, esmagando o troiano quando faltava meio corpo para sair da armadilha.

Olaf ficou preso da cintura para baixo, como um inseto. As montanhas de gelo, unidas numa só, levaram-no a toda velocidade pela mesma órbita dos anéis, perante os olhos de Aldo e de Ives, que freava nesse instante perto do seu capitão. Seu grito de dor e desesperação ressoava nos fones dos terrestres, que não podiam fazer mais nada.

Olaf retorcia-se e gritava, afastando-se mais e mais, levado na voragem dos anéis; para girar eternamente num carrossel sideral. Ficaria para sempre girando em torno de Saturno, formando parte dos anéis por toda a eternidade, como um monumento. E gritou muito, demorando em morrer, sabendo que não tinha salvação.

–Está perdido, capitão – disse Ives apavorado.

O torso de Olaf, prensado, se afastava vertiginosamente.

Logo de um minuto que pareceu um século, parou de gritar.

Aldo disse por fim:

–Que lugar fantástico para morrer!

*******.

MUNDOS PARALELOS, Fase 1 volume 3, capitulo 20 páginas 33 a 38. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)