sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.15

9-9.15


Finalmente, no dia 31 de dezembro...

...Estavam prontos para celebrar o ano novo antes da partida e Aldo estava no alojamento, recolhendo alguns livros e roupas para levar, quando Chiyoko entrou.

–Aldo! – gritou ela, refugiando-se nos seus braços.

Ficaram abraçados por um instante, antes que ela; com olhos úmidos; dissesse:

–Por quê me deixaste fora da lista?

–Sabes bem o motivo.



 

–Inge vale mais do que eu.
 



–Não digas bobagens.

–Já não te sirvo, te dei o que desejavas...

–Continuas dizendo bobagens, Chiyoko...

–Se não te adorasse, não teria vindo a me despedir. Sou uma estúpida.

–Não és uma estúpida; Chiyoko. És muito nobre. Amas. Quem ama é nobre.

–Mas tu não me amas e estou sofrendo pela tua causa.

–Por minha causa? Tu me procuraste, te entregaste servida em bandeja!

–Minha culpa. Fui má. Mas me entreguei a ti por amor.

–Também te amo, mas sabias que isto não vingaria, amo a Inge e se pudesse me casaria com as duas, mas não pode ser. E sabes disso.

–Isso é verdade?

–Ainda duvidas? Talvez o que te faça sofrer seja que sabes que te amo à minha maneira e que nunca te enganei.

–Mas unimos nossos corpos por amor.

–Sim, minha querida.

–Quê tipo de amor? Foi um amor puro e verdadeiro?

–Eu sei que foi. Por umas horas.

–Então, por que tem que acontecer isto?

–É o preço que pagamos pelo que é bom, pelo que é limitado. Uma coisa boa vem em pequenas doses, como perfume ou vinho, assim são os prazeres, pequenos e caros, muito caros – disse ele – nosso amor foi intenso, porém curto e seu preço foi altíssimo, mas foi muito bom e deixou em nós uma experiência inesquecível.

–Quê opinião tens de mim?

–A melhor, querida. Se pensar demais, se lembrar da nossa noite, do teu corpo, de tudo o que demos um ao outro, vou querer mais e poderei fazer uma loucura da qual depois íamos nos arrepender.

–Nunca esquecerei aquela noite, Aldo. Fizeste-me mulher e me destes o melhor momento da minha vida, me senti tão viva, tão completa...

–Será amarga essa lembrança para ti e para mim.

–Não sei se deverei amar-te ou odiar-te. Ou as duas coisas.

–Os antigos diziam que só se odeia o que muito se amou.

–Então te odiarei. Será melhor. Aqui nos separamos, Aldo.

–Como pessoas de juízo?

–Sim. Posso beijar-te?

–Não, Chiyoko. Isso o faria tudo mais difícil. Para nós dois.

–Sim, é verdade. Desculpa.

–Adeus, Chiyoko.

–Sayonara... (Já que assim deve de ser...).

Talvez ainda haja uma solução para esta variável, já que a japonesa não embarca na Hércules, e isto é uma variável não prevista.

Talvez esta variável consiga reverter os resultados e não aconteça nada catastrófico; talvez os deuses decidam reverter este mundo paralelo, para os parâmetros originais, talvez os fatos futuros não sejam tão graves.

Talvez não. Alguém uma vez disse:

"–As possibilidades são infinitas."



*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.

Último Capítulo em 14 de setembro de 2012...!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)