sexta-feira, 1 de junho de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.7


9-9.7
 8 de dezembro de 2013.


A capela do padre seria pequena demais para os 518 terrestres se estivessem todos.

Seria o caos absoluto.

Mas como estes nunca estiveram juntos ao mesmo tempo na base, sobrou lugar para assistir os casamentos de alguns colonos; já que o     s astronautas antárticos recusaram casar-se pelo ritual católico e por isso; após os casamentos do pessoal de apoio, se encaminharam ao Centro Recreativo, onde havia espaço para cerimônias.

Aldo não era iniciado na religião pagã a ponto de conhecer toda a ritualística para efetuar os casamentos, mas era suprema autoridade terrestre em Marte e realizou os casamentos legais dos camaradas, formalidade que servia para abastecer o banco de dados do sistema.

Após efetuar os casamentos legais, assentou-os no livro de estado civil do Ponto de Apoio.
Seria um livro histórico onde seriam registrados casamentos, nascimentos e óbitos.

Ingeborg Stefansson, a Reverenda Sacerdotisa Odínica da Noruega; completou a cerimônia com a ritualística requerida.
Após os desposados unirem suas mãos sobre a faca cerimonial depositada sobre o altar coberto com um pano bordado com as cores mágicas; rubedo, albedo e nigredo; e beberem um gole do vinho sagrado no mesmo cálice de prata, ela disse as palavras rituais finais:

–Boris Alexeievitch; aceitas por companheira a Regina Lúcia, até o dia em que um dos dois partir para Asgard?

–Aceito, Reverenda Senhora.

–Regina Lúcia; aceitas por companheiro a Boris Alexeievitch, até o dia em que um dos dois partir para Asgard?

–Aceito, Reverenda Senhora.

–Vos declaro marido e mulher pela graça de Odín-Wothan e seu filho Thor que são os Deuses que reverenciamos e que nos acompanham nesta jornada nas estrelas, assim como o espírito dos antigos Avatares e do Grande Mártir, o Último Avatar.

Boris e Regina foram os últimos a casar nesse dia. Antes foram Marcos e Bárbara; Elvis e Linda; Nico Klinger e Tama Wilkins; Eric Wilkins e Lina Antúnez; Lúcio e Eva; Konstantin Diakonov e a doutora Lídia Maximova; Mara, irmã de Aldo, que casou com o seu eterno namorado Leif, irmão de Ingeborg.

Lon Vurián, Danai e muitos nativos, assistiram pelo lado de fora da parede de alumínio transparente, ouvindo pelos alto-falantes.

                                                            *******.


Dos dez hangares da base, o H3 era o único vazio. Por isso tinha sido escolhido para ser o Centro Recreativo.
Seu interior hermético estava iluminado e decorado. A mesa da festa, improvisada com asas de aviões e barris de concentrado, estava servida com assado de carneiro para os não vegetarianos; frutas frescas da horta hidropônica; pão quente de trigo antártico; legumes hidropônicos; água marciana, sucos de frutas hidropônicas; vinho e cerveja importados da Terra. Para sentar-se, havia caixas vazias ou cheias de material essencial ou munição.

O sistema de som emitia música dos países dos astronautas, soldados e cientistas.
Pela janela, os marcianos deslumbrados pelo espetáculo, observaram os visitantes divertir-se até o amanhecer.
Era a primeira festa no Ponto de Apoio; era a primeira vez que tinham algo a celebrar e ânimo para tanto.
Após a meia-noite, os casais prepararam a tradicional fuga, escapando da festa para a lua-de-mel.
Num reservado no fundo do hangar; homens e mulheres trocaram a roupa cerimonial por trajes espaciais. Os primeiros em sair foram Nico e Tamara, fugindo discretamente da festa que continuaria sem eles.

–Por onde eles saíram? – pergunta alguém.

–Pela eclusa dos fundos – responde outra voz.

–Onde passarão a lua-de-mel?

–Nos novos alojamentos do iglu hospital.

–Vejam! Linda e Elvis se escapam! Arroz neles!

–O que faz Eugênio Baden com eles?

–Dar-lhes-á uma carona para Phobos na sua nave.

–Aonde irão Eric e Lina? – perguntou alguém.

–A nenhuma parte – disseram eles – ficaremos aqui mesmo.

–Aqui na base, vai ser chato para recém casados – disse Boris, tomando um gole de suco de abacaxi.

–Nico e Tama ficam – replicou Lina.

–Vocês poderiam ir à base nova do pólo Sul – disse Maya Terasaki, sentado junto à sua esposa Hiroko – posso levá-los no meu avião. Agora há uma grande comunidade por lá, há trenós, esquis e outros tipos de diversões no gelo.


–E o alojamento? – perguntou Eric.

 –Isso se soluciona com um iglu – respondeu Maya.

–Será divertido – disse Hiroko.

–Vamos, sim, Eric – suplicou Lina.

–Topamos – disse Eric.

Em seguida, os casais levantam-se e saem pelo túnel de ligação dos hangares.



*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.
Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)