sexta-feira, 27 de abril de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.2

9-9.2

Os darnianos eram um povo diferente; governado por uma casta de intelectuais desconfiados, fleumáticos e orgulhosos. Diferenciavam-se até no modo de vestir.

Suas roupas de uso diário, soltas e coloridas eram mais artisticamente elaboradas do que as espartanas e funcionais roupas de Hariez ou as simples e rústicas roupas de Angopak.

Apenas as excelentes botas de couro de wok trabalhadas artisticamente; fortes e funcionais, providas de bolsos e compridas até metade da coxa, pareciam comuns a todos eles; talvez imprescindíveis para caminhar nos desertos.

Usavam seus cabelos compridos amarrados em complicados laços ou artisticamente trançados. Ostentavam brincos nas orelhas e anéis nos dedos, enquanto os angopakis nada usavam de enfeite, assim como os hariezanos; que só colocavam brincos em ocasiones especiais.

Os angopakis cortavam o cabelo rente ao crânio e enfeitavam as botas com desenhos rústicos. As botas dos hariezanos careciam de qualquer enfeite a não ser simples gravuras em alto relevo e cortavam o cabelo em complicados desenhos, talvez a única marca de distinção que estes sofridos seres se permitiam.

Aldo procurou ser convincente:


–Não, não perseguimos os pioneiros.


–Não? – Os olhares dos Executores demonstravam sua natural desconfiança.


–Para dizer verdade – disse Aldo – nós nem sabíamos da sua existência, a não ser algumas velhas lendas românticas nas quais não acreditávamos; sobre uma viagem, que para nós; na época em que foi dito que isso aconteceu, era impossível. Isso não foi divulgado após a guerra. Os vencedores nada disseram ao resto do mundo.


–Não entendemos como isso pode ser possível – disse um dos Executores.


Aldo armou-se de paciência. Não seria fácil, porque ele, educado em ciências exatas, não conhecia bem a história das guerras do século XX, e o confessou:


–Não sou versado em história. Sou um capitão do espaço. Minha formação é essencialmente técnica. Na base temos professores que sabem mais. Se vocês quiserem posso mandar alguns. Tudo o que sei sobre isso é o que li num comunicado que recebi do meu mestre, um cientista notável que fez nossa região passar à frente de outra, que governa tiranicamente a maior parte das regiões... E são muitas, a Terra é maior que Gopak, há mais de cem regiões diferentes...


–Sabemos que falam muitos idiomas – disse o darniano.


–O que sempre ouvi dizer, eu, que não sou perito em História; é que, após vencerem a guerra; os inimigos dos pioneiros assumiram o controle total do mundo, com o que as notícias e as comunicações, tiveram que ser censuradas; se vocês sabem o que isso quer dizer. Quando nasci, fazia muito tempo que isso tinha terminado. Eu nasci no mundo dos vencedores. Recentemente surgiu um poder que estava oculto desde muito tempo atrás, e foi dominando as regiões uma por uma, até transformar-se em tirania. Isto foi há pouco, já disse. Eu era bem jovem e inexperiente.


–E esse poder novo que surgiu... – disse Lon Der-Sur traduzindo a pergunta de um dos Executores – É inimigo dos pioneiros da Haunebu-3?


–Talvez seja, não sei com certeza – respondeu Aldo evasivamente – mas sei que esse poder novo é perverso e nocivo. Quando tive a idade apropriada declarei a guerra a ele. Por isso estou aqui; para encontrar espaço vital para meu povo e voltar um dia com a morte e a destruição para meus inimigos.


–E se você encontrasse os Primeiros...?


–Farei contato amistoso se eles permitirem; mas, pessoalmente, penso que não estão aqui... Engano-me?


–Não estão, não. Mas ainda se estivessem?


–Diria a eles que tinham razão em fugir; que fizeram bem. Mas falharam no seu plano de voltar; porque não voltaram para vingar-se; o que me leva a pensar que talvez não existam mais.


–Mas eles podem existir, ainda em algum lugar do universo...


–Não creio, não – disse Aldo com pouca convicção, e afirmou:


–Mas nós existimos e voltaremos para destruir a tirania. Recuperaremos nossa força aqui e daremos o golpe quando eles menos o esperem.


–Os Executores ainda não estão convencidos – disse o darniano.


Aldo levantou a voz e disse em língua marciana:


–Eu sei que vocês prezam pais e mães. Então saibam que os meus pais foram perseguidos, presos, torturados e assassinados pela ditadura terrestre...!


E acrescentou, mudando o tom; arrependido por perder seu autocontrole; o que poderia ser muito inconveniente:


–Não me interessa se vocês estão preocupados com o prejuízo que eu possa ocasionar a uns poucos e quase míticos terrestres que vieram aqui há muito tempo e quem sabe hoje se ainda estão vivos; fato que duvido e na verdade pouco me afeta; tenho mais o que fazer do que me preocupar com eles.


Aldo fez uma pausa para apreciar o efeito das suas palavras e acrescentou:


–Se não tivesse visto e tocado o que deixaram no Magta Haunebu; não acreditaria neles. Meu interesse não é a pesquisa histórica. Tenho outras prioridades.


–E quais seriam? – perguntou um dos Executores diretamente; vendo que Aldo dominava bastante bem a língua.


–Como já disse; nós também fugimos de um mundo em dissolução, de uma ditadura que domina pelo medo e a violência. Somos contrários a esse governo, somos dissidentes, rebeldes; viemos aqui para reorganizar nossa força e voltar.


–E se o governo enviar tropas para capturá-los ou exterminá-los? – interveio um outro dignitário darniano.


–Impossível! – afirmou Aldo categoricamente – Temos tecnologia superior, patrulhamos o espaço imediato e as naves deles são inferiores às nossas. Eles não têm capacidade para fazer a guerra no espaço; estão com muitos problemas internos que nossos agentes provocadores criam constantemente.


–Mas se eles dominam o planeta todo... Como pode ser que não tenham mais poder do que vocês no espaço?


–Eles não podem dominar pessoas de mente superior como nós. Seu domínio baseia-se na total ignorância dos dominados, uma plebe embrutecida e alienada por drogas e mídia, que não sabe que é escrava e tolamente pensa que é livre.


–Situação curiosa.


–Sim, – concordou Aldo – nossos inimigos não podem voltar-se à ciência se não recrutarem cérebros capacitados. Mas nós, os melhores; não gostamos de ser dominados. Por isso conseguimos ludibriá-los e fugir para o espaço. Nosso retorno será terrível para eles. A sua derrota, agora é apenas uma questão de tempo.

*******.


Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.


Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)