sexta-feira, 13 de abril de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 8-8.10

8-8.10
30 de novembro de 2013.

A nave; número de série D1H; rodou fora do hangar sobre 16 rodas de dois metros que a mantêm a três metros do solo. Tem 66 metros de comprimento e 38 de envergadura.

A fuselagem de 10,40 metros de diâmetro. Antes era um container e foi montada em tempo recorde. As máquinas a rebocam até a cabeceira da pista. Logo as mangueiras enchem os tanques, enquanto caminhões carregam nas adegas três mil toneladas de ferro puro em barras.

Aldo e seus irmãos abordam a nave para fazer seu vôo inaugural. Mara foi a primeira a subir. Após fechar a eclusa tomaram banho de raios germicidas, subiram ao compartimento de trajes e daí ao andar do controle de energia, onde Aldo abriu os 27 acumuladores dos 27 motores e quatro acumuladores da antigravitação.

No andar seguinte uma porta comunicava com a sala de torpedos.
Outra escada e chegaram à ponte, ocupando as poltronas; piloto e co-piloto à frente; navegador e engenheiro aos lados; capitão no meio e um pouco atrás dos outros.

Marcos inspecionou os instrumentos e Elvis fez o mesmo no painel de controles. Mara e Aldo inspecionaram as dependências interiores, entrando no corredor pela porta da parede de popa. A primeira porta a estibordo era a cabine do capitão, com dois beliches, banheiro, guarda-roupas, biblioteca e escritório com terminal.

Em frente a sala de circuitos, computador e comunicações. A segunda porta de estibordo, o banheiro e sauna da tripulação. Enfrente, cozinha e padaria. As terceiras portas, dormitórios da tripulação com 24 beliches duplos, guarda-roupas e banheiro.

Mais seis portas de cada lado: enfermaria, laboratório, arsenal, oficina e dois camarotes extras com banheiro. A porta ao final do corredor comunicava com as adegas superior e inferior com capacidade para mil toneladas.

O corredor atravessa a adega superior e o tanque superior de combustível de 785.000 litros para chegar à engenharia e sala de torpedos de popa. Embaixo, após a adega inferior, o tanque inferior com capacidade para 392.000 litros. Embaixo dele estão os compartimentos das rodas posteriores com a sala inferior de máquinas no meio e os 24 poderosos motores VAL-1000 em versão melhorada.

Embaixo dos alojamentos, entre a sala de controle e as adegas, a despensa de 400 toneladas de alimentos e água, rodeando o compartimento das rodas dianteiras, com o depósito auxiliar de água, oxigênio, o circuito fechado de água, ar e detritos.

Na proa, embaixo da ponte, os quatro freios, os quatro tubos de torpedos e a retro-carga dos canhões.
*******

Terminada a inspeção, Aldo e Mara retornaram à ponte e ocuparam seus lugares, Aldo na cadeira do piloto e Mara na cadeira do navegador. Pelo pára-brisa polarizado penetra a luz do sol já bem alto. A engenharia estava configurada para controle remoto, pelo que Marcos estava na cadeira do engenheiro e Elvis na do copiloto.
A quinta cadeira, a do capitão, estava vazia.

–Abrir passagem de combustível – disse Aldo.

–Combustível aberto – respondeu Marcos.

–Ativar reator e ligar geradores.

–Ativado e geradores ligados.

–Carregar acumuladores.

–Acumuladores em carga. 27.000 unidades.

–Mais pressão. Ativar sistema.

–Sistema em carga – disse Elvis, introduzindo o disco de boot.

Diferente das astronaves do século passado; a Hércules e as naves da classe Antílope não necessitavam ser ativadas de fora. Eram auto-suficientes para reviver mecanicamente e eletronicamente por si mesmas. A nave estava nascendo, valha a expressão. Seu computador estava sendo ativado e o processo não pararia enquanto houvesse urânio no reator que funcionava por primeira vez. Embora o combustível terminasse e não pudesse voar, o reator continuaria funcionando para processar combustível quando o tivesse. Elvis disse:

–35.000 unidades. Reator e geradores a pleno. Acumuladores carregando do um ao 27. Acumuladores do antigravitator em carga do um ao quatro.

–Desligar baterias do sistema elétrico.

–Baterias desligadas – disse Mara.

A energia pareceu diminuir, mas logo voltou a aumentar a pleno com a energia nova sendo gerada. As baterias apenas iniciavam o processo.

–Todos os sistemas funcionando – disse Marcos.

–Ótimo – disse Aldo e girou a chave de contato.

Acenderam-se as 27 luzes vermelhas dos motores e as quatro dos freios.

–Podemos prosseguir – disse Marcos.

–Certo – disse Aldo apertando o botão de partida.

As luzes ficaram amarelas, a nave se estremeceu. Os motores vomitaram fogo azul e as luzes passaram para verde.

–Pressão 40.000 unidades – disse Marcos.

–Liberar rodas.

–Freio mecânico solto – disse Elvis – Ligando antigravitator.

O peso da nave diminuiu até quase zero, ao mesmo tempo em que rodava mais rápido à frente. As rodas mal tocavam o solo quando Aldo puxou o manche e a nave levantou o nariz. Aldo acelerou e a nave saiu disparada, elevando-se.

–Altura 500 metros – disse Elvis.

–Recolher as rodas. Velocidade Dois.

A base parecia apenas um detalhe do solo embaixo da Hércules, mostrando sua beleza equatorial. Numa bela manobra a nave tomou rumo sul, deixando uma esteira de fumaça no límpido céu.

–Geradores a pleno, sem sobrecarga. Reator ao mínimo.

–Antimatéria?

–Quatro antiprótons.

–Deve bastar. Reserva de energia?

–Cem mil unidades.

–Não é suficiente para entrar em órbita. Mais pressão, Marcos!

–Certo. Acumuladores em carga. Altura quinze mil. Velocidade dez Mach.

–Energia, Marcos.

–Duzentas mil unidades.

–Agora sim. Velocidade Três.

A aceleração se fez sentir, apertando-os contra as poltronas anatômicas.

–Vinte e cinco Mach – disse Elvis.

–Certo, lá vamos! – disse Aldo, ligando as chaves de vôo espacial.

A aceleração esmagou os corpos nas poltronas apesar do antigravitator. Ainda não possuíam a técnica da compensação inercial; mas em dez segundos as terríveis sensações desapareceram, chegando ao mundo da gravidade zero, onde estavam no seu elemento mais uma vez.

–Estamos em órbita – suspirou Mara – pressão normal. Podemos tirar os capacetes, não há goteiras.

–Tudo em ordem – disse Elvis – Tudo funciona perfeitamente.

–Conseguimos, irmãos – disse Aldo – Esta máquina é uma maravilha, colocou em órbita um 150% do seu peso em ferro. Agora vamos fazer um pouco de História.

–Como? – perguntou Mara.

–O primeiro vôo da Hércules; primeira nave em descer no recém concluído astroporto de Darnián; primeiro contato amistoso com uma comunidade da superfície e a primeira troca comercial. Vamos vender nosso ferro puro em Darnián.

–Não tinha mencionado nada, irmão.

–Não tinha certeza de fazer negócio, Mara. Eles construíram o primeiro astroporto da era moderna em Marte. E a Era Moderna somos nós, os ETs deles.

E dito isto, Aldo segurou os comandos e acelerou para fazer sua primeira volta de teste no espaço, antes de descer no astroporto novíssimo de Darnián.

*******.
FIM DO CAPÍTULO VIII
(CONTINUA)



*******.

2 comentários:

  1. Parece interessante a história! Parabéns! Já estou seguindo o blog:) Se quiser conhecer o meu, será um prazer: www.deborasader.blogspot.com

    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Débora por acompanhar meu blog. Já visitei o seu e vou lhe acompanhar.
      Espero que esteja acompanhando a históra Mundos Paralelos desde o início.
      Gostaria de sua opinião.

      Excluir

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)