sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Mundos Paralelos - Capítulo 3 - 3.16

3.16
16 de maio, noite.


–Quero saber mais sobre a água – Nico estava concentrado só nisso. Tinha visto o exame e queria mais elementos para tirar suas conclusões.

Aldo, do outro lado
do canal, divertia-se com a ansiedade do camarada:

–Não a bebemos, mas lavamos a roupa interior. Na burbuja três tiramos a
roupa e outro a lavou lá fora. Com este ar, seca em meia hora. Para o corpo usamos esponja com poliágua descomprimida. Não te preocupes, somos econômicos.

–Engenhosos, meus machões! – exclamou Regina – Queria ter ido junto com
vocês para vê-los todos pelados!

–Gracinha! – disse Boris – Se viesses, te faria lavar nossas cuecas fedorentas!

–Chato!


–E a vida animal? – perguntou Nico, sem senso de humor, como todo médico.

–Deste lado há formigas gigantes, diferentes das do outro lado; vinham em caravana e retrocedemos. Boris disparou balas explosivas, que deixaram manchas na carcaça dos bichos; sem ocasionar-lhes dano. Lúcio disparou um foguete; enquanto Boris atingiu os olhos. Ficavam cegas e atacavam às companheiras.

–Parece um jogo de videogame – disse Regina.

–Para nós não; querida. Lúcio disparou de novo e voaram garras, mandíbulas
patas... Ao terceiro disparo, retrocederam. Seguimos adiante e cada vez que aparecia alguma, atirávamos aos olhos, para atingir-lhe o cérebro. Descobrimos que a pistola marciana tem vinte tiros em cada pente, com uma marca. Economizamos a arma para usá-la só se for realmente necessário.

–Deixam uma trilha de cartuchos vazios – disse Regina. – Não sei se é bom.

–Não é um passeio campestre, querida, estamos aqui para estabelecer-nos ou
morrer na empreitada. Lembras o que me dissestes quando tinhas 15 anos; no dia em que entrastes para o grupo, lá no Brasil?... “Prefiro morrer a aceitar a marca

–Sim, foi isso.

–E eu te amei por isso, querida amiga, e te amei ainda mais, quando adulta,
decidiste vir conosco para a linha de frente.

–Sei disso e também te amo, Aldo.


–Se falharmos; nossos inimigos terão vencido. Não me importa passar por
cima dos marcianos para criar um lar aqui, nem que tenha que lhes esterilizar a espécie. A primeira opção é estabelecer-nos pacificamente. Mas estou disposto a
acabar com eles, se preciso for. Temos poder atômico de fogo para varrer-lhes as
cidades e exterminar até o último marciano, não importa que suas pistolas tenham mais poder do que uma granada de morteiro.

–Acho que eu sou mole e boba, Aldo!


–Tu és uma pessoa normal...


–Acho que sou.


–Os humanos normais são intrinsecamente bons, sem maldade, não pensaram
mal da maldita anti-raça que domina o mundo e impôs a Marca. Ficaram indefesos perante sua perversidade até que foi tarde demais. Quando eles tiraram a máscara, vimos que éramos escravos e não sabíamos.

–Para dar a razão aos nossos Mestres!


–Por isso estamos aqui, Regina querida, lutando por espaço vital para nosso
povo que não aceitou ser marcado como gado...

–Vão gastar a bateria filosofando? – disse Boris – Além disso, seu cretino, ela é minha namorada, não sei se notastes...!

–Certo Boris – concordou Aldo rindo – Tchau, Regina! Aldo desliga.

–Tchau, Aldo, tchau Boris, meu amor... Marcos, Lúcio... Considerem-se todos
vocês beijados, amores. Regina desliga.

*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)