sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 7-7.7

7-7.7
18 de julho de 2013.

Primavera no norte marciano.

À distância, percebe-se uma faixa de vegetação que se aproxima, alimentada pela água subterrânea, do degelo do Pólo Norte.

O acampamento ferve de atividade. Há tropas marcianas acampadas, tanques, canhões capturados e equipamentos diversos.

O sítio continua tão violento como antes, apesar de que a linha de abastecimento foi cortada à altura da Havern Umbr pela patrulha que Lon Vurián deixou dias atrás.

Está na hora de romper o cerco novamente para reforçar a patrulha com soldados descansados. À frente de uma coluna de cinqüenta blindados pesados, Lon sai pelo portão principal disparando com todas as armas e rompendo o cerco.

Not já não sabe o quê fazer, se perseguí-los ou permanecer, o que é indiferente, porque já não é operante. As forças legalistas dão a impressão de serem um bando de mendigos querendo assaltar uma fortaleza.

*******.


20 de julho.

O chão e o ar começam a adquirir umidade e uma camada de musgo avança, vinda do norte.

Aldo ordena apressar a devastação do solo ao redor da base, que está parecendo uma torre de Babel não concluída.

O concreto impedirá a penetração da vegetação rasteira. O poço de água verte sozinho. Os marcianos dizem que no verão boreal secar-se-á, por isso há que estocar água. O satélite mostra o canal desbordando.

A ponte flutuante foi destruída pela água e arrastada ao sul. Agora o Líder Not não tem como receber munição, energia nem alimentos. Está isolado completamente.

Compreendendo isto, Lon Vurián retorna ao Ponto de Apoio para a batalha final.

*******.


22 de julho.

Querendo evitar mais mortes, o Líder Not rende-se ao Líder Vurián, no final da tarde.

Sobraram-lhe menos de dois mil soldados e cinqüenta e cinco blindados intactos; que passam a engrossar a máquina de guerra rebelde.

De Hariez chega informação de que o governo mandou suspender os combates; mas que isso não significa o fim das hostilidades.

Outra notícia, desta vez da rádio Darnián captada na base terrestre; disse que se Hariez tenta atravessar de novo o Magta Ers com armas, Darnián enviará tropas à região.

Aldo percebeu que se Darnián declara a guerra a Hariez, o local tornar-se-á incômodo para permanecer, e assim o fez saber ao seu amigo Lon.


–Não é para preocupar-se, Aldo. Não pode haver guerra antes do verão porque o Magta Ers não pode ser atravessado na primavera. As tropas de Hariez não têm como chegar aqui, ao contrário das de Darnián. O mais importante seria confraternizar agora mesmo com os darnianos até o verão chegar.

–Sim, tem razão. Como sugere, será melhor que nós e vocês façamos amizade com os darnianos – disse Aldo com olhar sombrio – Caso contrário...

–Caso contrário...?

–Serei obrigado a exterminar-lhes as espécies, tanto a Hariez como a Darnián...

*******.

(Próximo post de Mundos Paralelos em 27/01/2012)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)