sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Mundos Paralelos - Capítulo I - 1.13

1.13
A Selene III continuava sua trajetória com os seqüestradores e assassinos dominando a situação. Os criminosos não se afastavam um minuto das suas armas. O chamado James já estava de olho nas garotas:
–Rapazes! Tive uma idéia para passar o tempo até chegarmos.
–Está pensando o mesmo que eu, David?
–Sim. Eu quero a loira, e você fica com a ruiva.
–Não!... A loira é minha!
–Não é justo! Eu a vi primeiro!
Tama e Eva trocaram olhares de preocupação. Ambas sentiam profundo desprezo pelos serviçais da ditadura, seres sem moral; robôs de carne sem princípios que vegetavam, mais que viviam; apenas para satisfazer seus animalescos instintos fomentados pelo iníquo e materialista estado de coisas. De repente, Leif observou um ponto na tela do radar.
–Estamos sendo seguidos – informou.
–Não tente nenhuma gracinha, capitão – disse Morris.
–Estou dizendo que temos alguém nos nossos calcanhares.
–E quem pode ser?
–São mais rápidos que nós. Em minutos seremos alcançados.
–Não pode ir mais rápido?
–Não.
–Não acredito! Vocês, rebeldes, têm muitos recursos. Faça alguma coisa!
Leif pensou em protestar, mas ficou calado. Teve uma idéia. Sabendo que a Antílope os alcançaria, pensou em salvar pelo menos uma das moças, já que de momento os malditos tinham esquecido seus imundos planos de estupro.
–Está bem, vou fazer algo. Eva! Vá lá embaixo e ligue o segundo gaseificador.
–O quê? – perguntou a doutora, desconfiada.
–O segundo gaseificador. A chave está junto à escotilha. Coloque o capacete para descer. Encontrará o gaseificador no compartimento B.
–Sim, capitão – disse Eva, agradecida por escapar dessa.
–James, vá junto – ordenou o líder dos criminosos.
–Não mande ninguém com ela – disse Leif irritado – vai atrapalhá-la! O que ela vai fazer é muito perigoso, vai ter que descer na sala de reatores.
–Certo. James fique aqui.
Eva desceu, sabendo que por trás de aquela ordem absurda havia alguma coisa mais. Ao abrir o compartimento B, deparou-se com os impulsores para caminhar pelo espaço e compreendeu. Colocou um deles e entrou na eclusa, fechando a porta e abrindo a escotilha exterior para que a violenta sucção do ar contido a jogasse no espaço. Morris percebeu o acontecido ao ver a figura de Eva na tela.
–Idiota! Morrerá lá fora. Melhor assim. Teremos uma a menos para matar.

*******.

(Continua) Click nas imagens para aumentar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)