sexta-feira, 13 de julho de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.13

9-9.13

28 de dezembro de 2013


As duas da manhã; o observatório de Dheimos comunicou-se com a base:

–Estejam atentos, porque se aproxima uma grande tormenta de pó. Chegará ao amanhecer. Mais ou menos três horas e meia. Manteremos o contato.

Elvis ordenou alarme geral, ligar o escudo e avisar o Acampamento Vurián.
–Poderíamos parar essa tormenta em qualquer momento, se quisermos, com uma bomba de meio megaton – disse Boris.



–Ocasionaríamos dano maior à flora e fauna da região – disse Aldo.

–Será melhor agüentar firme – disse Elvis – as tormentas sempre têm ocorrido e os nativos as têm suportado sem maiores problemas...

–Decolarei antes – disse Marcos – Desliguem o escudo para sair.

A Antílope estava abastecida desde ontem e o container em órbita, repleto de material para a Terra. As garotas foram acordadas às duas e meia da manhã para despedir-se da amiga. Bárbara, ainda sonolenta, beijou sua irmã gêmea entre lágrimas, abraçou as amigas e embarcou. A nave decolou e após a fumaça se dissipar, Elvis comunicou-se com o Líder Vurián:

–Evacuem o acampamento e venham a refugiar-se aqui.

–Enviaremos os veículos. Nós ficamos, os alojamentos são bem resistentes.

–Como queira. Sei que vocês são duros.

*******.

Pelas cinco da madrugada; o vento começou a assoviar, levantando pó, e pelo sudeste a nuvem vermelha ocultava o horizonte. No leste, onde o sol deveria nascer, era uma pavorosa escuridão que se aproximava rapidamente.

–Essa será medonha – disse Lon Vurián, descendo do veículo – É das grandes!
–Se você o diz... – disse Aldo.
–A tormenta do ano passado não era tão assustadora.
–Quanto tempo demora?
–Mais ou menos dois dias, deste lado do mundo. Apenas o que demora em passar. Depois, ao noroeste, ela se desfaz nas Montanhas Agulhas.

–Estamos então, na época das tormentas?

–Sim. Uma grande, depois umas pequenas, e por último uma grande. Do outro lado do mundo são mais duradouras, ao que me consta.

Aldo e Lon na torre de controle viram a escuridão aproximar-se e os primeiros grandes vegetais, arrancados do canal, voando a grande altura como penas. Logo a areia e os galhos a açoitaram as linhas energéticas do escudo, soltando faíscas. Antes de uma hora o céu ficou completamente negro e ao redor da base acumulou-se a areia, em tudo quanto o vento não conseguiu arrancar. Desde Dheimos, os observadores atentos disseram:

–Não invejamos vossa situação.

Em Hariez o pó depositava-se nos cultivos e no fundo dos lagos. Na urbe, os hariezanos contemplavam amedrontados através das janelas, como o pó se acumulava na rua. Infelizes os que foram pegos desprevenidos à intempérie. O pó provocou-lhes terrível morte, entrando na boca e nos olhos.

Agora se revelava aos terrestres, outro aspecto de Marte, planeta sem chuva, porém tormentoso, de solo ressequido e ventos provocados pelas diferenças de temperatura do ar e do solo. As tormentas de pó cumpriam sua função fertilizadora, levando sementes a locais distantes, por isso havia sempre vestígios de vegetação por todos os extensos desertos do planeta.


*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)