sexta-feira, 15 de junho de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.9

9-9.9



Com o barulho do chuveiro Aldo não ouviu a eclusa.
Quando saiu do banheiro e foi para o quarto enrolado na toalha, deparou-se com uma surpresa vestida de kimono vermelho estampado de flores brancas e amarelas:


–Chiyoko! O quê faz aqui?

–Fui obrigada a vir, meu senhor.

–Obrigada? Por quê motivo?

–Não resisto o fogo que me queima. Que os deuses me perdoem!

–Garota...! Quê loucura! – Aldo sentiu sua cabeça girar, quando ela disse:

–Quero ser sua, antes de ser de ninguém mais.

Ele sentiu; mais que viu; o desejo nos olhos dela. Aspirou o perfume oriental há muito esquecido, entendeu seus motivos e disse as palavras; sem pensar que era um instante critico do universo, uma variável imprevista, onde entrava vertiginosamente num universo provável, num Mundo Paralelo, apenas com dizer:

–Se assim o queres...

O kimono de seda deslizou ao chão.

–Quero, sim, meu senhor.

Ele perdeu o controle. Um fogo líquido correu-lhe nas veias, inundando seu membro viril. A ereção quase fez a toalha cair. A jovem oriental era muito bonita e ele desejava-a desde que a conheceu; embora sem admiti-lo. Agora ela estava nua no seu quarto, entregando-se com o corpo em fogo, louca de desejo.

O homem despencou em plena queda num redemoinho, num vórtice, num turbilhão dos Mundos Paralelos, e disse, simplesmente, para se perder de vez:

–Quero teu corpo, garota.

–Sim, meu senhor, embora seja apenas por esta noite.

Ele sabia que estava se perdendo e não respondeu.

A toalha caiu e a beijou nos lábios.

Abraçou o corpo adolescente, suave como cereja madura, abandonou o universo e entrou em outras variáveis, novas probabilidades, situações, eventos que não deviam existir, mas viriam a existir a partir desse instante; engendrados por esta união imprevista...

Onde estavam os deuses,
nesse fatídico instante
em que a História
foi totalmente mudada?


*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)