sexta-feira, 20 de abril de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 9-9.1

Capítulo IX
9-9.1

30 de novembro de 2013.

Cada uma das comunidades marcianas tinha uma característica; a de Darnián era sua vasta cultura geral. Eram exploradores, viajantes, tinham dado a volta ao seu mundo várias vezes, e apenas não se entendiam com os vizinhos de Hariez.

A cidade-estado de Darnián estava situada a quase quinhentos kms ao sul do equador, na região de Paraná Vallis. Seus habitantes não gostavam dos seus rivais de Hariez, mas ao saber que Lon Vurián e seu grupo eram renegados e aliados dos visitantes, confraternizaram sem maiores problemas. Sua reação, ao saber que os visitantes ocuparam a Zona Contestada e resistiram à violenta pressão de Hariez; foi positiva. Já que não podiam ser donos da área; era melhor que caísse em mãos dos visitantes e não nas de Hariez. Por isso concordaram em construir o espaço-porto.

A civilização darniana era a mais desenvolvida.
Observadores do espaço e possuidores de excelentes equipamentos de rádio; fazia mais de 35 anos marcianos ou 67 terrestres que captavam transmissões da Terra.

Quando fizeram contato no século anterior com os pioneiros da Haunebu-3, aprenderam a gama de freqüências das ondas de rádio terrestres e alguns idiomas. Não ignoravam que os pioneiros da Haunebu-3 fugiam de uma guerra perdida num mundo onde gente sem tecnologia espacial os derrotara; não por ter cérebro superior, maior moralidade ou justiça maior; senão pelo fato bruto e simples da sua superioridade numérica.
Tamanho barbarismo deixara-os em alerta todos estes anos; preocupados com uma invasão.

Nesse meio tempo; capturaram a nave soviética Marte 3 que fez o primeiro pouso no planeta. Isso lhes indicou que a invasão viria. As sondas americanas Viking 1 e 2 também pousaram, com o que os darnianos começaram a preparar-se, construindo armas. E não somente eles, já que a noticia da possível invasão circulou por todo o mundo. E isto se repetiu por ocasião do pouso da sonda Mars Observer, que depois de um ano perdeu contato com a Terra porque os darnianos a destruíram.

Em julho de 1997, a nave Pathfinder pousou em Ares Vallis levando o robô Sojourner, dotado de rodas. Capaz de transmitir imagens em três dimensões, o robô colheu amostras de rochas, mas assim que suas baterias esgotaram, os darnianos o capturaram.

Por tudo isso, eles conheciam bastante sobre a civilização terrestre, mas nunca tentaram contato com a Terra por medo de serem atacados mais cedo ou mais tarde. Em contrapartida, era obvio que os americanos sabiam que existia vida em Marte, mas ocultaram o fato do povo simples.

Um dos Líderes Cientistas de Darnián; Lon Der-Sur, entendia inglês e um pouco de espanhol, por ser encarregado de monitorar a Terra. Ele custodiava a sonda Viking 1 e o robô Sojourner. A Viking 2 estava em Atlantos, do outro lado do planeta, onde Darnián possuía uma estação transmissora.

Lon Der-Sur confraternizou com seu homônimo de Hariez quando o encontrou, anos atrás, numa expedição paleontológica.
Lon Der-Sur soube, pelas transmissões dos visitantes, que o idioma predominante era o espanhol. Ficou em dúvida por não saber se estes visitantes eram ou não, inimigos dos pioneiros da Haunebu-3.

Lon Vurián organizou uma caravana e foi a Darnián com alguns engenheiros terrestres para convencer os darnianos de que os terrestres vieram em paz e também para expor seus planos de construir um astroporto perto da cidade e um centro de treinamento para darnianos; dirigido pelos visitantes.

Agora, os amigos outra vez se encontraram e o hariezano atualizou o darniano com seus recém adquiridos conhecimentos sobre os alienígenas. Lon Der-Sur gostou da idéia e conseguiu das autoridades darnianas que o espaço-porto fosse construído.

Darnián, diferente de Hariez, governava-se por um sistema particularíssimo.
Havia um Parlamento ou Conselho de Quatrocentos Notáveis, acima dos quais estavam os Quatro Anciões.
Acima destes estavam os Dois Executores, e sobre eles O Líder, escolhido pelos Quatrocentos Notáveis.
Não existiam eleições, o povo acatava as determinações do governo sem questionar, porque sua autoridade era indiscutível; se existiam Quatrocentos Notáveis, era porque eles eram realmente Notáveis e suas decisões sem dúvida tinham que ser sábias.

Esta é, resumidamente, a cidade de Darnián, situada na região de Paraná Vallis, ao sul do equador, onde em poucos minutos, no seu novíssimo astroporto de tecnologia terrestre, seria vista e ouvida descendo a astronave Hércules, comandada pelo Líder antártico.
*******.


O atrito esquentou a proa até a incandescência, envolvendo-a em chamas. Os tubos de popa despediram uma grossa linha de fumaça azul ao reentrar na atmosfera.

O fogo diminuiu e a nave deslizou em direção à pista de dois mil metros da cidade de Darnián, que estava alerta para não perder o espetáculo insólito.


–Já se vê a pista, Aldo.


–Abaixe as rodas, Elvis. Pressão, Marcos?


–Dez mil unidades, normal para descer.


–Suficiente, procure mantê-la assim. Altura?


–Duzentos. Estaríamos despenteando-os, se tivessem os cabelos longos.


–Velocidade, zero ponto quatro Mach, Aldo.


–Preparados para pousar. Marcos estabilize a pressão, Elvis, vigie os sistemas interiores, Mara, está gravando?


–Desde que partimos. O computador poderá recriar cada movimento que faça no painel. Da próxima vez não precisaremos tantas precauções.


–Temos a pista embaixo de nós – informou Elvis.

*******.


Logo sentiram o contato das rodas com a pista e o assobio dos amortecedores de ar. A nave do tamanho de um Boeing 747 do século passado, embora mais curta, rodou entre a fumaça dos freios e os assobios dos amortecedores, testados ao máximo.
A pista foi aproveitada até o fim para testar as rodas. Por fim a Hércules deteve-se.
Aldo acionou os servo-motores das rodas, fazendo a nave taxiar até as construções.
Em dois demorados e teatrais minutos, chegou até o local de desembarque e a nave parou em posição de serviço ao largo da plataforma.


–Deixe o motor ligado por alguns minutos, Elvis. Mara! Venha comigo.


Os motores ficaram gerando energia. Pelos tubos saía uma incandescência azul
e ouvia-se um ruído surdo.


No edifício havia uma multidão. Lon Vurián e seu homônimo Lon Der-Sur esperavam junto às autoridades. A eclusa abriu-se e a escada automática desdobrou-se para que Aldo e sua irmã descessem. Lon Vurián e Lon Der-Sur adiantaram-se. Aldo e Mara ligaram os microfones exteriores.


–Qué sorpresa! – disse Lon Vurián em espanhol – não vi essa nave chegar!


–Não chegou. Foi construída na base. Vamos ao que interessa, Lon. Trouxe ferro para vendê-lo à comuna darniana.


–Ferro?


–Eracl. 600 kalegs cúbicos do metal.


–Tanto?

Lon Vurián estava incrédulo. 600 kalegs cúbicos de ferro era muito ferro. Um kaleg equivale a cinco toneladas terrestres. Aldo e Mara foram conduzidos para um edifício onde havia algumas pessoas de alto nível. Foram apresentados aos dirigentes locais e aos Executores. Estes foram logo querendo saber se eles eram inimigos dos pioneiros da Haunebu-3.


–Não, senhores. Isso foi há muito tempo. A guerra terminou – respondeu Aldo, percebendo que entrava em terreno minado.


Os darnianos guardavam boas lembranças dos pioneiros da Haunebu-3.
Sem dúvida suspeitavam que Aldo e seu grupo estavam caçando-os. Aldo fora informado e sabia que eles há mais de sessenta anos ouviam rádios da Terra, mas não sabia até que ponto eles entendiam o que ouviam. Um dos anfitriões insistiu na sua língua:


–Os gentis pioneiros vieram fugindo de um mundo onde já não podiam mais viver, segundo disseram – traduziu Lon Der-Sur, o único a falar espanhol – e se vocês conseguiram vir aqui; é claro que vieram em perseguição deles.


Aldo percebeu que seria difícil convencer os darnianos de que dizia a verdade.

*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Compre Mundos Paralelos volume 1 clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)