sexta-feira, 30 de março de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 8-8.8

8-8.8
25 de outubro de 2013.

Hoje partiu a expedição a Ceres. À frente, a Ikeya-Maru com a tripulação desfalcada. Maya e Chiyoko não vão, pois eles têm outras obrigações. Maya é o piloto de provas oficial.


Estão sendo produzidos um avião de caça e a nave para Júpiter e ele deve ficar para trabalhar nos projetos. Chiyoko resolveu ficar para trabalhar na programação de navegação do computador mestre da futura nave.


Para Ceres também esta indo a Antarte com Andrés, Pedro Alanís e Peter Paz entre outros; a Antares com o novo Capitão Breno Mendes e sua esposa Marília; a Polaris, comandada por Luiz Fagúndez e os irmãos Oly; finalmente a Ares I, comandada por Daniel Travieso Marín com sua esposa e sua tripulação.


Todas as naves, menos a Ikeya-Maru; estão levando seus containeres com material de sobrevivência.

*******.


10 de novembro de 2013.

O protótipo CH-II está concluído e Maya o testará hoje.
Igual ao CH-I por fora, é uma máquina híbrida com tecnologia de dois planetas.


Como todos os caças da classe Churrinche, foi pintado de preto, a exceção do ventre e os bordes de ataque, vermelhos como o peito da ave sul americana que lhe dá nome.


Tem 11 metros e 10 de envergadura; fuselagem em forma de fuso e asa delta de geometria variável. O grosso da fuselagem mede dois metros. Seu motor é miniaturização do possante VALVII, do Dr. Valerión. Atinge 8.000 km/h em Marte e vinte vezes mais no espaço.


Na ponta das asas e leme tem três VAL-V de manobra; tão pequenos que quase não se enxergam de longe. Decola como helicóptero, tem antigravitator de tecnologia marciana que tira 100% do peso da nave.


O problema de energia das naves marcianas foi resolvido com o reator atômico. Sua capacidade de armamento é temível; porta quatro bombas nucleares, vinte mísseis, dois canhões rotativos de sete canos de 50mm para balas explosivas de U-235, com capacidade para 2000 balas cada; dois canhões marcianos com capacidade de 200 disparos cada, um canhão laser giratório de 20mm, que pode furar a fuselagem de qualquer nave que não fosse de vitrotitânio refratário.
Podem acabar as bombas, mísseis, balas ou energia dos canhões marcianos, mas o laser tem energia inesgotável enquanto o reator atômico funcionar.


Além da pesada blindagem, o escudo o deixa invulnerável. Abasteceu dois mil litros de fluido e foi testado em todas as condições possíveis de bombardeio em picado com bombas falsas e torpedos sem carga. Sua facilidade de manobra no espaço e na atmosfera marciana é absoluta; sua autonomia é de 24 horas, o máximo que pode suportar o piloto sem dormir; vestido com armadura e ligado a condutos de água, ar, calefação e urina. Após o teste, o protótipo pousou verticalmente onde Aldo e os projetistas esperavam. Maya pulou ao solo:

–E então?

–Vocês fizeram um precioso avião – disse Aldo – um porrete aéreo. Agora somos donos absolutos do espaço aéreo marciano e cinco milhões de kms de espaço em volta. Podem começar a produção. Maya, você é o supervisor.


–Sim, capitão. Podemos montar um por semana até o fim do ano. Até lá estará terminada a ampliação da fábrica e poderemos montar duas ou três linhas de produção até atingir quatro por semana.


–Agora que terminamos o CH-II – disse Aldo – é prioritário liberar a equipe de projeto para o Projeto Hércules. O CH-II será nosso Porrete Aéreo quando voltarmos à Terra e a Hércules será a nave para Júpiter.
*******.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)