sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Mundos Paralelos - Capítulo 7-7.8

7-7.8
1º de agosto de 2013.

Faz 104 dias que os antárticos estão em Marte e 45 dias que as oito naves partiram à Terra. Uma mensagem captada em Phobos tranqüiliza a todos, respeito à sorte de Boris e seu grupo, que estão nas antípodas.

O grupo chegou à grande fenda de Vallis Marineris onde se encontra o reino de Angopak. Mas antes, localizaram o ponto de pouso da Viking, onde acharam restos muito antigos de um acampamento deixado por um grupo de cientistas darnianos.

–Temos a prova de que eles nos monitoravam, Aldo – disse Boris pela rádio na ocasião – Aqui há um edifício de pedra com restos de equipamento de rádio nativo e inclusive uma antena semidestruída, construída pelos darnianos.

–E onde deve estar a Viking agora?

–Segundo os guias, é provável que o equipamento esteja em Darnián.

–Se faz imperativo o contato com eles, Boris. O mais breve possível.

O contato com Darnián se fez através do Líder Vurián. Quando chegou a novidade de que Boris já estava no Vallis Marineris, surgiu uma nova possibilidade, já que tudo está em paz no Ponto de Apoio; de ir atrás de Boris por ar, e o 3 de agosto, Aldo decolou na Antílope, acompanhado de Inge e Regina.

*******.


Outono no hemisfério sul.
Após fazer uma curva no espaço, a nave sobrevoa à fenda que de perto se torna assustadora. A nave parece minúscula dentro das paredes de três mil metros do abismo semelhante ao Grand Canyon elevado à enésima potência. Há nuvens no seu interior e a pressão é maior que a média. Milhões de anos atrás devia ter sido um mar.
Uma fina linha de água percebe-se entre a abundante vegetação do fundo.

–Há um ponto de descida! – exclamou Inge indicando a parede íngreme.

–Parece artificial – disse Aldo.

–Onde estão os carros? – perguntou Regina – Não podem descer por aqui...

–Vamos subir ao platô – disse Aldo, fazendo a nave elevar-se.

–O rádio está recebendo o sinal código dos carros – disse Regina.

–Estão muito longe – disse Inge – a bombordo!

–Vamos lá – disse Aldo, fazendo a nave virar noventa graus.

–Vieram pelo norte, devem estar na borda norte.

–Não perde o sinal, Inge. Regina; dá uma olhada lá embaixo.

Regina não enxergava os veículos à simples vista, apesar da boa visibilidade.

–Aqui, Aldo – disse Inge, de olho nos sensores – desce mais.

Aldo faz a nave pairar quase ao borde do precipício e Regina grita:

–Estão aí!

Estavam todos estacionados em linha, terrestres e marcianos.

–Aparentemente estão inteiros, apesar de sujos...

–Por quê não descem para nos cumprimentar? Estão cegos e surdos?

–Estão vazios, Aldo – disse Inge, atenta aos sensores – não detecto vida.

A Antílope pousou a cem metros do abismo do qual não divisavam a borda sul.

–Esperem aqui, vou dar uma olhada – disse Aldo pondo o capacete.

O primeiro carro estava fechado com chave. Os outros; vazios e fechados.

–Há abundantes pegadas que levam ao borde do precipício.

–Certamente que todos foram para Angopak – disse Regina.

–Angopak deve estar embaixo – disse Aldo assomando-se à borda do abismo.

–Deuses!

–Quê foi? – disse Inge.

–Há uma trilha de mais ou menos dois metros de largura que desce ao fundo.

–Desceram por aí! – disse Regina – podemos descer com os impulsores.

–Nós também vamos descer, mas não com impulsores – disse Aldo.

Aldo voltou e sentou na poltrona de pilotagem. A nave elevou-se e dirigiu-se ao abismo. Não se enxergava o fundo devido às nuvens.

Desceu verticalmente junto à parede onde havia uma trilha artificial com descansos construídos por antiqüíssimas mãos marcianas.

Atravessou a fina capa de nuvens e embaixo podia ver-se o verde da vegetação e a linha de água que fertilizava o local. A nave pousou no fundo, no solo úmido e fértil da beira do rio, numa clareira artificial na vegetação junto à parede do abismo.

A trilha terminava na frente de uma caverna de vinte metros de altura por cinqüenta de largura; na qual junto às pegadas apareciam marcas de carros. Aldo
desligou os motores.

–Regina, fica monitorando. Inge e eu vamos entrar.

–Por favor, tenham cuidado.

–Não te preocupes – disse Aldo colocando uma pistola marciana no cinto.

Inge e Aldo desceram e entraram na profunda caverna ligando as luzes dos trajes. Após caminhar oitenta metros encontraram duas dúzias de carros de carga enfileirados, nos quais havia restos de vegetais, redes, gaiolas, arpões e armas curtas.

–Isto está ficando interessante, Inge.

–E misterioso – replica a jovem – um país subterrâneo!

Inspecionaram as paredes, que à luz artificial produzia belos reflexos coloridos, e foi aí que Inge descobriu uma porta de quatro metros de altura por três de largura.

–Vejamos – disse Aldo – tem um marco encravado na rocha. Belo trabalho.

–Não tem fechadura, ou o que seja que abra as portas por aqui...

–Há uma alavanca no marco. Cuidado Aldo! Pode abrir-se de repente.

–Afasta-te um pouco. Vou abrir.

–E se for uma armadilha mortal?

–Não acho. Há muitas pegadas, a maioria humanas. Olha o padrão das botas!

–Boris e seu grupo entraram por esta porta! – disse Inge emocionada.

Aldo puxou a pistola e abaixou cautelosamente a alavanca. A porta se abriu devagar para fora, deixando ver...

–Uma sala iluminada!

–E com outra porta igual – disse Aldo – deve ser uma eclusa.

–A luz é fraca como a do sol...

–Nossas lanternas devem ser torturantes para eles, Inge.

–Não precisamos delas aqui – disse ela, desligando a luz.

Entraram, havia outra alavanca por trás deles. Aldo acionou o mecanismo e a porta se fechou com lentidão. Dentro da sala, abriram a outra porta, que dava a um corredor iluminado.

–Aldo para Regina!

–Prossiga.

–Só queria saber se estava ouvindo.

–Alto e claro; Aldo.

–Ótimo.

–Só isso?

–Encontramos a entrada de Angopak!

*******.

Fim do Capítulo 7.
(próximo capítulo (8) inicia em 10 de fevereiro).


*******.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)