sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Mundos Paralelos - Capítulo 7-7.1

7-7.1
Capítulo VII
20 de junho de 2013.

Leif e Inge estão reunidos com Aldo e seus irmãos.


–A Antares está pronta – disse Elvis – Qual será nossa missão?


–Phobos e Dheimos.


–Não sei se vale a pena gastar tempo, naves, gente e material nessas pedras...


–Não há nada lá – disse o irmão de Inge.


–Sei disso – concordou Aldo – mas nosso dever é vasculhá-las.


–O quê devemos esperar encontrar por lá? – perguntou Elvis.


–Procurem minério. Phobos é maior, está mais perto e é um local estratégico para construir uma base permanente de embarque e depósito, além de uma usina, se tiver minério.


–E Dheimos? – perguntou Marcos.


–Montem uma estação transmissora nele, que está mais longe. Nossos satélites domésticos deixam a desejar quanto à potência. Servirá para monitorar a Terra.


–Vou levar gente da Ikeya-Maru. Estou só com cinco tripulantes.


–Claro Elvis. Quem?


–O filho de Fuchida e o professor Terasaki, com suas esposas.


–Yoko é geóloga, será útil. Como se entenderá? Não falam em espanhol...


–Falaremos em inglês. Quando parto?


–Hoje mesmo.


Ao anoitecer a Antares partiu para as luas e foi vista da base marciana por Lon Vurián e Danai, que sentados no teto do carro admiravam o céu estrelado.

*******.

24 de junho.
A geóloga japonesa encontrou minério de titânio em Dheimos, a pequena lua que os nativos chamam em sua língua Uio. A bordo da Antares há uma festa na sua honra, os antárticos nunca pensaram que teriam tanta sorte, já que consideravam que a exploração das luas era perda de tempo. Depois de marcar o local, eles prosseguem, pois o que se procura é urânio ou similares, para gerar energia vital.
*******.


25 de junho.
Boris resolveu organizar uma expedição sobre rodas.


–Seis caminhões de areia com reboques, o Cascavel para escolta e o Auto-N.


–O Auto-N é rápido demais, Boris. Além do mais preciso dele aqui.


–Não importa, Aldo. Tenho bastante transporte.


–Quantos irão? Não me deixe com pouca gente.


–Comigo 38. Vurián me empresta dois carros e oito guias.


–Para onde vão?


–Para o noroeste, onde caiu a Viking I, se é que caiu aí, e depois virar para o sudoeste, rumo a fenda de Vallis Marineris, que dá de cem a zero no Grand Canyon. Segundo o pai de Lon Vurián, lá está Angopak, um reino interessante, subterrâneo.


–Tenha cuidado, Boris. Não faça loucuras. Precisamos de todos os amigos que possamos conseguir.


–Confie em mim.

*******.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)