sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Mundos Paralelos - capítulo 6 - 6.5

6-6.5
Incendio!

As chamas, alimentadas pelo encanamento de oxigênio, subiam a grande altura; as paredes e o teto derretiam-se como cera. Os depósitos de hidrogênio, oxigênio, peróxido e deutério explodiam, os encanamentos retorciam-se como serpentes de fogo, e o escapamento de oxigênio fervente cobria a estrutura com espinhas incandescentes de viva cor azul e branco. A temperatura começou a subir, afetando inclusive aos marcianos que observavam do outro lado da cerca magnética.


Os homens desdobraram as mangueiras ligadas ao poço e o reservatório. O encanamento vomitava milhares de litros de água por minuto sobre o fogo e os reservatórios intocados ainda pelo fogo; consumindo mais água da que o poço produzia. Em seguida foi preciso usar água do reservatório. Elvis, num ato desesperado, abordou a Antarte, fez a nave pairar sobre o fogo e descomprimiu milhares de litros de água da reserva da nave sobre a fábrica. No obstante, nem a água nem os extintores químicos podiam conter o fogo; aquela se evaporava pelo calor e estes eram insuficientes. Apenas podiam impedir que o incêndio se propagasse aos enormes reservatórios de combustível recém fabricado, a maior parte vazia.


A fábrica de vitroplast estava em perigo pela sua proximidade. Os jatos d'água dirigiram-se a ela em previsão de danos maiores. O centro de abastecimento das naves estava em perigo por sua proximidade e pelos encanamentos.


A tripulação da Prometeo com seu capitão à frente, introduziu-se dentro da fábrica em chamas. Protegidos por jatos d'água das mangueiras e seus trajes de vôo incombustíveis, resgataram a maquinaria insubstituível pouco antes que se derrubasse a superestrutura do edifício. Em meia hora a Antarte esgotou sua água, assim a do reservatório principal.


–Chega! – gritou Aldo com o rosto alterado – Não gastem mais água!


–Mas já o temos sob controle... – começou dizendo Tom Silveira.


–Deixem queimar. Já salvaram o material insubstituível e não tem objeto gastar água. Custará muito recuperar a que perdemos.


–É verdade – respondeu Tom – Rapazes! Só não o deixem alastrar-se!


E dirigindo-se ao capitão:


–Se os tanques de oxigênio não vazassem constantemente, o fogo já teria se
apagado com o frio e a baixa pressão.


–Desligaram a tubulação principal?


–Sim, mas as válvulas dos cilindros subterrâneos derreteram-se e não há maneira de fechá-las.


–Há perigo de explosão?


–Não, acho que não.


–Há muito oxigênio nos depósitos?


–Vai queimar até amanhã. Talvez o frio ajude, à noite a temperatura desce a menos 30 graus...


–Isolem o local e fechem a base até nova ordem. Quero um inventário de danos e saber quando poderemos começar a reconstruir e recomeçar a produção.


Depois disso, Aldo encaminhou-se ao seu alojamento, caminhando devagar e ouviu nos seu capacete a voz de Tom:


–Presumo que adiaremos a viagem à Terra...


–De momento sim.


Aldo foi para seu alojamento. Já era noite fechada, mas ninguém o notou, devido ao vivo resplendor do incêndio. Alguém o seguia: Chiyoko.


–Isto me dói – ouviu Aldo nos fones – Vejo-o triste.


–Não te preocupes – respondeu ele – Não é a primeira das minhas provações.


Estavam chegando ao alojamento dele. Entraram.


–Aldo-San, não deve abalar-se na desgraça – disse Chiyoko num tom de esposa de samurai; enquanto as válvulas funcionavam.


–Eu não me abalo, eu sou um antártico – respondeu Aldo secamente, abrindo a viseira do capacete quanto a pressão se equilibrou.


–Prefiro tê-lo morto nos meus braços a vê-lo derrotado – disse ela abrindo a viseira do capacete.


Aldo tirou o capacete e a mochila, colocando-os nos cabides, pensando que o palavreado da moça era romântico demais, clássico demais. Talvez muita leitura do gênero medieval; nobres damas, valentes samurais e corajosos ronins...
Foi até a janela. Ela ficou do seu lado. As chamas produziam sinistros reflexos nos seus rostos e ele achou que podia responder-lhe à altura dos romances:


–Morrerei nos teus braços antes de abandonar este mundo sem tê-lo conquistado. Isso é uma promessa.


Ouviu-se o barulho da eclusa e em seguida penetraram Lúcio, Boris os irmãos de Aldo, Inge e Leif. Ao ver à japonesa, Inge e Mara não ocultaram sua surpresa.


–Aldo – disse Boris – isto foi negativo para o moral. Alguns querem voltar.


–Leia-se; o geólogo argentino, o bioquímico inglês, o zoólogo peruano e o botânico angolano que vieram comigo na Antarte – disse Elvis.


–Imaginava isso. Vocês querem voltar?


–Claro que não – disse Boris.


–Ninguém entre os meus quinze principais quer ir embora?


–De forma alguma – respondeu Lúcio.


–Muito bem – Aldo estava mudado, parecia outra pessoa – mas... Para quê vieram em comissão a dizer-me uma coisa que poderiam ter me dito pelo rádio?


Os outros se olharam em silêncio.


–Espero uma resposta – disse Aldo falando em tom de capitão.


–Pois... – começou Leif.


–Estamos na expectativa – cortou Boris – para ver o que você decide.


–Parece-me bem que lembrem quem manda aqui.


–Não diga isso, Aldo – interveio Mara com severidade – Não é justo conosco.


–Perdão, querida; mas pensei ter percebido um, digamos, indício de falta de confiança em mim por parte de vocês, para não ofendê-los com a palavra “motim”.

–Aldo! – gritou Mara.


–Foi o que deduzi quando os vi entrando aqui em bando, maninha.


–Aldo tem razão – interveio Elvis.


–Estou de acordo – disse Marcos – devíamos ter usado o rádio.


Inge, até esse momento mantivera-se em silêncio. Abraçou-o e disse:


–Se confiamos nele até agora, seria bom continuar confiando.


–Claro! – exclamou Mara.


–Até agora tudo funcionou bem – disse Aldo – Se nestes 58 dias que levamos aqui, consegui levar o projeto adiante, penso que seria muita sujeira por parte dos camaradas, querer abandonar-me ao primeiro tropeço.


–Chama tropeço a isto? – explodiu Leif – Queima-se nossa principal fonte de energia e para você não é mais do que um simples tropeço?


–O que quer que eu faça? – Aldo encarou o irmão de Inge com olhar glacial e gritou: – Que me atire no chão para chorar, gritar e arrancar-me os cabelos?


–Não foi isso que eu quis dizer... – Leif suavizou a voz.


–Já vi que quando estão sob pressão externa, desnorteiam-se todos.


–Mas... – Leif ainda queria dizer algo, mas Aldo o cortou:


–Parece que sou bom só quando tudo funciona às mil maravilhas.


Eles se entreolharam envergonhados.


–Minhas ordens são lógicas e devem ser cumpridas ao pé da letra, sem discussão, gente! Senão isto não vai funcionar...! Não vai mesmo!


Ninguém respondeu. Todos abaixaram a cabeça. Aldo estava irritado. Seus irmãos e seus mais íntimos colaboradores deram um passo em falso, como se um espírito maligno os dominasse, fazendo-os discordar, o que nunca antes aconteceu, como querendo separá-los. No mesmo tom disse:


–Se tivemos capacidade para chegar aqui, teremos também para conquistar este mundo. Vamos ver se merecemos ficar nele!... Entenderam?


No silêncio que se fez, ouviu-se o suspiro de Inge.


–Mereço ficar. Perdi minha infância melhorando o IS-TRES do meu pai anos a fio, para servir à Causa, detonar a Internet do inimigo e programar todas estas naves.


–Mereço ficar – disse Boris – Explorei a Lua, ajudei a construir a Antílope e lutei na floresta, no canal e no deserto, com as feras e os aborígines marcianos.


–Também mereço ficar – afirmou Elvis – não trabalhei todos estes anos e nem comandei uma nave todos esses milhões de kms à toa.


Um a um foram dando seus motivos. Finalmente Aldo disse:


–Somos a máxima autoridade da comunidade. Não podemos desentender-nos, senão tudo irá para o inferno, como os marcianos querem.


Inge deu um pulo:


–É isso!


Vários pares de olhos fixaram-se nela. Inge, como sacerdotisa odínica, tinha uma sensibilidade superior. Mara perguntou:


–Isso... O quê?


–Os marcianos. Pode ser que nos tenham influenciado de alguma maneira que ignoramos. Pode até ser que a explosão da fábrica tenha sido coisa deles.


–Inge, é isso mesmo – concordou Aldo recuperando sua compostura – Mas há que esperar o informe dos peritos para saber se a explosão foi acidental.


Nesse momento entrou Tom Silveira, com seu traje coberto de cinzas.


–Dominamos o fogo – anunciou, abrindo a viseira – não se estenderá.


–E os danos?


–Perdemos a fábrica, capitão. O combustível novo está à salvo e o anterior também, não perdemos nem uma gota. Salvamos o equipamento robótico e os secundários. O vitroplast perdido não é problema, podemos fazer mais. A única coisa que ficou no fogo foi o forno de gaseificação de urânio e plutônio. Esperemos que agüente o calor sem derreter-se. Há chances.


–O que me diz da água e do oxigênio? Perdeu-se muito?


–O oxigênio não é uma grande perda, só está queimando o destinado à fábrica, e perdemos noventa por cento da água, mas não haverá racionamento. Com o poço,
num mês, recuperaremos toda a que perdemos. Isso é tudo, capitão.


–Obrigado Tom.


Aldo dirigiu-se aos outros:


–Já ouviram.


Leif, ainda magoado, atreveu-se a intervir:


–Mas vá trazer 400 pessoas que comem, bebem, respiram, tomam banho, iluminam-se, esquentam-se e para isso precisam energia. E a energia precisa do reator principal que precisa combustível que agora não podemos fabricar.


–Se isso era o que lhe preocupava, devia ter falado antes, Leif. Venha aqui, vou mostrar-lhe números. Os outros, cheguem perto!


Aldo ligou seu terminal.


–Trouxemos da Terra, 2.920.000 litros. O reator gasta diariamente dois barris e meio por dia. Em 58 dias que estamos aqui já gastou 29.000 litros. Sobram 2.891.000. Hoje abastecemos as naves que vão voltar com 144.000 litros e sobram, pela tabela, 2.747.000 litros. Se restarmos a isso os 14.000 litros que gastamos com a maquinaria e outras despesas diversas, restam 2.733.000 litros nos reservatórios. Se continuarmos como até agora, gastando 500 litros por dia no reator, com luz, escudo de força e o mais, mas sem abastecer naves, o fluído acabar-se-á em 14 anos e 360 dias, quase 15 anos. Exatamente 14,97534246575 anos.


Lúcio deu uma risada:


–Se trazemos 400 colonos, o fluído durará cinco vezes menos, mas é claro que muito antes a fábrica estará funcionando.


–Além disso – disse Aldo – há meio milhão de litros de combustível novo para a viagem a Júpiter; não incluído neste cálculo. Sem contar com outro meio milhão de litros ainda em órbita nas naves robôs que já chegaram.


Leif viu que tinha se precipitado. Acalmou-se e disse:


–Desculpe Aldo. Fui um estúpido.


–Não foi nada, Leif. Entendo seus motivos. Como Inge disse, também estou começando a achar que esta nossa discussão boba escapa ao nosso controle. Não é
somente o estresse que nos deixa meio loucos.


–Devemos investigar isso – disse Inge – eu sinto que há algo.


–Sim, devemos indagar entre os marcianos – interveio Elvis – e não deixar que percebam que estamos desconfiando deles.


–Não suspenderemos em forma alguma a viagem à Terra – disse Aldo – avisem aos capitães que se preparem para decolar amanhã à tarde.


Imediatamente entraram na eclusa, Chiyoko incluída. Inge observou-a quando a porta fechou-se, abstraída em pensamentos não muito agradáveis.
De repente notou que todos na eclusa olhavam-na.


–O que há?


–Põe o capacete – disse Mara.


Todos começaram a rir enquanto os exaustores assobiavam.

*******.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)