sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Mundos Paralelos - Capítulo 3 - 3.19

20 de maio de 2013.

–Antarte e Polaris solicitaram autorização de pouso, Elvis. Responda; agora manda você no acampamento – disse Inge.

–Posso mandar, Reverenda, mas você está aqui há mais tempo.

–Certo Elvis. Mandarei prosseguir. –Soltaram os containeres? – perguntou Inge.

–Soltamos junto com os outros dois, Inge. É nossa órbita particular? Isto aqui em cima já é um estacionamento de shopping... – disse Andrés Rodríguez.

–Ah, rapazes! Quê alegria...!

–A alegria é nossa, Reverenda – disse Luis Fagúndez.

–Mas... Desçam de uma vez!
*******.

Diário pessoal de vôo do capitão Luis Fagúndez; da Polaris.
"Faltam 250 kms para o Ponto de Apoio.

O chão corre vertiginosamente, o vemos admirados.

A estibordo vemos o centro urbano relatado pelos Primeiros. São edifícios claros, piramidais ou cilíndricos. Há terras de cultivo...

Pergunta: que tipos de vegetais podem crescer aqui...? Há dois lagos; depois começa o deserto com manchas verdes.

Menos de 100 kms de deserto e vemos a faixa esverdeada do canal, sua largura termina após 40 kms e começa outro deserto com manchas verdes. Após 40 kms vemos a pista sinalizada, os alojamentos e as naves alinhadas na pista... É lindo!...

Baixamos as rodas, Andrés vai pousar antes, enquanto dou mais uma volta para ainda ver mais desse belo quadro. A Antarte roda pela pista, chega ao extremo,
da uma volta e alinha-se de ré junto às outras naves para fazer espaço para mim.

Tenho a pista na frente, empurro os comandos, endireito a asa de bombordo e logo as rodas tocam a pista; me surpreende sua firmeza, não o esperava. Reduzo o gás. Já percorri boa parte da pista, custa um pouco deter este monstro.

Aplico os freios de retropropulsão, termina-se a pista, acende-se a luz que indica que já posso aplicar os freios das rodas; ressoam os encanamentos de ar, a nave se estremece e parece que vou perder o controle, mas não; acende-se a luz verde e a nave se detêm.
Meus homens, felizes; gritam palavras de ordem e de desafio. Ordeno-lhes calar-se e verificar tudo. Abro o cinto e saio da poltrona de comando.

Estou feliz.
Cumpri minha missão. Acabo de transportar desde Antártica ao planeta Marte, uma carga de 320.000 litros de concentrado atômico para nossas naves e deixei ainda mil toneladas em órbita, no container. Cheguei ao meu destino”.
(Do diário pessoal de vôo do Capitão Luis Fagúndez da Polaris)

*******.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)