sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Mundos Paralelos - Capítulo 3 - 3.15

3.15
15 de maio, noite.

–Boris, nosso perito em situações como esta, acendeu um fogo anêmico com a lenha local. A floresta é seca aqui, há árvores caídas, curiosamente tombadas de leste a oeste e há mais areia solta deste lado. Tudo indica que houve uma tormenta de pó de leste a oeste antes de nossa chegada. É provável que a vegetação do canal (não digo “rio” porém “canal”), deve agir como filtro de pó.

–Quê são essas imagens de uma espécie de repolho com tentáculos de polvo?

–Ah, isso, Inge... Uma planta carnívora. Segurou-me pelos tornozelos e depois
pela cintura com tentáculos espinhentos que felizmente não furaram o traje. De qualquer forma teria quebrado minhas costelas, se não fosse por Boris, que lhe cortou os tentáculos que me agarravam com seu facão. Marcos disparou balas explosivas, mas parece que isso a enfureceu e começou a estender-se. Lúcio disparou a bazooka e ela se desintegrou.

–Que horror!


–Só então vimos a enorme quantidade de plantas iguais em volta. Deste lado,
até agora não as havíamos incomodado nem pisado nos seus tentáculos, por isso tinham ficado tão quietas como alfaces.

–Mas... De novo encrencados, meus machões! – exclamou Regina.


–Deverão ter mais cuidado – interveio Nico, que monitorava a conversa do
outro iglu – Ora! Não sei por que perco tempo e gasto saliva repetindo isso...!

–Mas o que interessa não é isso, Nico e meninas; mas a água – replicou Aldo.

–Água? – o interesse do médico sofreu um choque.


–Sim, Nico. Este lado é uma descida pouco perceptível e de tanto em tanto,
surgem mananciais de água cristalina. Boris acha que é um vazamento da água do
canal que se filtra através da areia e surge aqui, que é mais baixo. A água corre para o leste em pequenos filetes. Vimos animais bebendo. Acredito que veremos mais filetes desses assim que termine a floresta e comece o deserto de areia de novo. Analisamos a água e estou descarregando no sistema o exame, simples, mas resolve. É bem limpa, um pouco ferruginosa, pela areia vermelha. Amanhã faremos testes.

–Deve ter ferro, esse elemento parece abundar por aqui.

*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)