sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Mundos Paralelos - Capítulo 3 - 3.5

3.5
Ponto de Apoio, 5 de maio de 2013.
De manhã, no iglu de moradia, mais confortável do que a nave; e para onde já tinham mudado seus pertences, os antárticos tomavam o café da manhã; sentados em cadeiras de lona ao redor da mesa desdobrável.

–Hoje começaremos a atravessar a selva.


–Pode haver feras...– observou Inge – Por quê não explorá-la do ar?


–É tão fechada que não veríamos nada. Usaremos o Engesa que é bem seguro.

–A região é baixa e há água – Interveio Lúcio – o solo deve ser uma esponja.

–Precisamos encontrar água aproveitável – acrescentou Nico.


–Pela forma da Mancha, pode tratar-se de um rio bordejado de vegetação. E
que vegetação! – disse Boris – Pelo que vimos do ar, a Mancha é maior no norte, um triângulo que indica rios que convergem no principal e essa água vem para o sul.

–A largura da parte próxima é de 40 kms – interveio Nico.


–Não a atravessarão num dia – disse Regina, entrando com um bule de café.


–Pois é – diss
e Aldo, servindo-se café – o Engesa é amplo o bastante como para morar nele. Mesmo assim, levaremos a burbuja com o escudo portátil para o caso de que tenhamos que abandonar o Engesa por mais de um dia.

–Seria conveniente levar o barco – sugeriu Marcos, saboreando seu café.


–Seria bom ir bem armados – disse Lúcio – pistolas e facas.


–Boa idéia – disse Aldo – Lúcio levará a bazooka e Boris o fuzil de longo
alcance. Marcos e eu levaremos fuzis de assalto com infravermelho, lança-granadas e mira laser, cortesia do Esquadrão Shock.

–Usaremos os trajes leves – disse Lúcio – regulador térmico, compressor de
oxigênio local e ar de reserva. O Engesa está equipado com beliches, latrina, oxigênio, água, painel solar, GPS, computador, rádio e parabólica dobrável.

–Sem esquecer de facões para abrir a mata – sugeriu Boris, experiente.


–Tenho uma idéia melhor – disse Lúcio – Há material para fazer um cortador
de grama sofisticado. Tive a idéia agora mesmo.

Lúcio despejou seu lado da mesa e abriu o computador. Com dedos rápidos
preparou um desenho do Engesa equipado com uma trilhadeira em forma de bico, um limpa-trilhos como das antigas locomotivas; para limpar a frente, com duas lâminas giratórias móveis em posição horizontal para cortar mato.

–Você é um gênio, Lúcio – disse Aldo.


–Sim, eu sei disso. Após o café, vou desmontar a embalagem do Engesa e
verei o que mais posso aproveitar – disse Lúcio, fechando a tampa do computador.

Os antárticos trabalharam dois dias montando e soldando o equipamento.
Além do limpa-trilhos, colocaram duas serras circulares, para cortar os troncos mais grossos, e dois lasers de 5mm em duas pequenas estruturas giratórias, na frente, para que funcionassem como tesoura, cortando vegetação mais rebelde.

–Não acham que esses raios vão queimar a floresta? – perguntou Marcos.


–Não há oxigênio para tanto – interveio Boris – fiz experiências; o fogo apaga
logo. A madeira deve estar muito seca para queimar. O ar é seco, mas floresta é úmida por dentro. Teve milhões de anos para aprender a segurar líquido neste clima hostil.

–Vamos destruir a mata, Aldo! – exclamou Nico.


–Vamos, sim.


–E a ecologia, como é que fica?


–Deixe essa preocupação para nossos bisnetos marcianos daqui a cem anos.


*******.

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)