sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Mundos Paralelos - Capítulo 2 - 2.9

(2.9)
O desembarque.
Pouco depois, os homens estavam equipados.
As garotas monitoravam desde a ponte e eles entraram na eclusa.
A temperatura prevista era de 15 graus ao meio-dia, mas os trajes possuíam sistema térmico automático.
Além do suprimento de oxigênio, os filtros de ar marciano das mochilas aumentariam a mobilidade.

Portavam pistolas
de 9mm e fuzis 7,62 antigos; armas eficientes com balas explosivas que segundo Lúcio podiam ser mais eficientes que os lasers portáteis ao enfrentar o desconhecido.

Aldo abriu a porta e apertou o botão que desdobrava a escada e desceu, colocando o
pé direito no solo. Afastou-se alguns metros, e disse:

–Tudo bem, desçam. Marcos, fique na eclusa, de olhos abertos.


–Lá vamos nós – disse Boris, começando a descida.

–Me pergunto o quê deveria dizer num momento como este – disse Aldo.

–Não digas nada, querido – respondeu Regina.

–Pois é, Regina, nada se me ocorre.

–Vazio mental?

–Debochada!

–Realista, querido, não esqueças que sou psicóloga...!

–De qualquer maneira o momento histórico passou e embora sei que minha voz está sendo gravada, não me importa.

–Claro que te importa, querido, será transmitida pela âncora Lívia Fernandes no Jornal da Noite da RTVV. Isso será a glória para ti, Aldo.

–A glória é tão efêmera como a vida humana, que é muito pequena perante a grandiosidade do Universo.

–Quê profundo Aldo! Escreveste na luva espacial ou te ocorreu agora?

–Lembra-me de te enforcar, assim que voltar a bordo, Regina.

–Pode deixar.

Poderia ser um grandioso instante para a glória da Raça Humana, se esta não estivesse acorrentada pela opressão. Para nós é um ato desesperado de sobrevivência.

–Amém! – disseram a coro as garotas na ponte da Antílope.

–Venham camaradas, vamos tomar posse deste planeta, deste Ponto de Apoio onde nos faremos fortes para um dia dar o troco aos inimigos da Raça Humana.

Boris desceu, seguido por Lúcio, que disse:

Ponto de Apoio, belo nome para nosso acampamento.

–Apoiado! – disse Boris indo a verificar o trem de pouso.

–Nome mais do que adequado – disse Nico indo a recolher amostras do solo.
A 50 metros da nave, Aldo e Lúcio perfuraram um poço para fixar o mastro da bandeira e a placa.
Após enterrar o mastro de quatro metros; procederam a içar a bandeira branca com a cruz céltica preta da Antártica, que saudaram em posição de sentido.
*******.
Fim do Capítulo 2.
(próximo capítulo em 8 de outubro).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)