domingo, 30 de maio de 2010

Brick Bradford - 004

Brick Bradford, de William Ritt e Clarence Gray (1933).

Muitos anos antes de Star Trek existir...

O desenho de Clarence Gray era mais simpático que o de Paul Norris.


Anos atrás visitei a Biblioteca nacional de Montevideo, Uruguai, onde achei preservados e encadernados, os suplementos semanais das quartas feiras do extinto Jornal "La Mañana", com as aventuras de página inteira do Príncipe Valente, Flash Gordon e Brick Bradford.


Levei três semanas para ler tudo o que foi publicado entre 1954 e 1962, já com as páginas finais de Paul Norris.


Houve três "Piãos do Tempo" nesse período. O primeiro está no quadrinho acima, que depois sofreu uma modificação, com um módulo adicional em 1956, numa aventura no planeta Ostar, com a princesa Farla, e um terrível vilão que dominou a mente do planeta inteiro...


No retorno à Terra Brick foi apresentado a um Pião com este Formato:

Com ele Brick e um amigo jornalista fizeram uma viagem no tempo de um milhão de anos no futuro, (em busca de um cientista perdido, o professor Quentin Quado, amigo de Salisbury) onde encontraram um mundo sinistro, onde assoprava um vento terrível, tão terrivel que os edificios estavam contruídos de forma aerodinâmica para pelo menos lutar contra o vento.


Ressolveram que Quentim Quado não deveria estar aí e avanzaram mais um milhão de anos no futuro.


Na Terra de dois milhões de anos no futuro, uma Terra cuja metade era dominada por um ditador terrível, encontraram discos voadores e máquinas maravilhosas, e no outro lado do mundo (o mundo livre) um paraíso de abundância e felicidade, onde encontraram o professor perdido.

E agora continuamos a historinha portuguesa:

(Ah... sim! Não se esqueça de clicar nas imagens para aumentar!!)

Continua no próximo domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)