sexta-feira, 9 de abril de 2010

Mundos Paralelos - Capítulo I - 1.18

1.18
Foram obrigados a descer no gelo da Antártida.
Comandos especializados, dirigidos pelos remanescentes do Esquadrão Shock foram a capturá-los, enquanto uma esquadrilha de caça mantinha afastados os caças inimigos. A nave foi recuperada inteira e os criminosos levados a interrogatório.

Os interrogadores de Antártica, devidamente doutrinados pelas lideranças rebeldes eram especialmente cruéis. Era gente que sabia contra o que estava lutando e sentia um profundo ódio pelo governo mundial e pelos seus sicários. Pouca coisa sobraria dos assassinos após o interrogatório, além da informação sobre mais traidores ou espiões nas bases espaciais.
*******.
Depois disso, houve uma caçada às bruxas na Lua.
Nenhuma nave pousava ou decolava sem rigoroso controle. Satélites armados com mísseis foram colocados nas órbitas da Lua e da Terra.
Nesse meio tempo, deflagrou-se a guerra de informação; a rede televisiva do inimigo; Journal News Network (JNN) contra a rede da Antártida, que transmitia em inglês, português e espanhol desde umas cavernas fortificadas no pólo norte da lua e era vista e ouvida em toda a Terra e alhures; Rádio e Televisão Venceremos (RTVV), fortemente doutrinada contra o governo mundial. Por isso se soube que o dano ocasionado à base lunar foi total em materiais e vidas humanas.
O triunvirato da resistência desaparecera. O General Cardelino, o Sr. Blanes e o General Preissler morreram. Mártires para a Causa.
Na base habitavam 300 funcionários com suas famílias; astronautas de exploração e funcionários em trânsito. 1.100 mortos em total. Dezoito naves foram destruídas, antárticas, argentinas, russas, australianas e brasileiras. Todas de grupos que lutavam pela Causa. As outras bases tinham poucas naves; chilenas, brasileiras, chinesas, antárticas e da FAECS; Força Aero Espacial do Cone Sul.
Na Antártida restavam 10 naves da classe Antílope, e perante as violentas “caçadas de bruxas”, as coisas não seriam fáceis para os que deviam partir para o espaço. Por isso, Aldo e Valerión encontraram-se dias depois do acontecido na Lua.
*******.

(Continua) Click nas imagens para aumentar

Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)