sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Mundos Paralelos - Capítulo I - 1.12

1.12
Na Antártida, ignorantes do acontecido no espaço, os futuros tripulantes da Antílope realizavam uma cerimônia no hangar.
–...E eu te batizo, Antílope! – disse Regina Cardelino, quebrando uma garrafa de champanha na proa da nave, no meio dos aplausos.
–Viva a Antílope!– exclamaram a coro os tripulantes e engenheiros.
–E que viva a madrinha! – acrescentou o astronauta Boris Jaskavitch.
Nesse momento abriu-se uma porta lateral e entrou um funcionário com um celular, interrompendo a festa.
–Aldo, ligação da base orbital.
–Obrigado – disse Aldo, pegando o aparelho.
Do outro lado da linha, Lina Antúnez relatou os últimos acontecimentos.
–Não se preocupe, Lina. A Selene III tarda oito horas até à Lua. Na Antílope os pegamos antes.
–O que foi Aldo? – perguntou Ingeborg Stefansson.
–Problemas, Inge – respondeu Aldo e ordenou:
–Todos a bordo, partimos em seguida! Abram o hangar!
Em cinco minutos estavam a bordo e as portas do hangar abriram-se, deixando entrar o frio cortante do exterior. A Antílope com Aldo no comando, rodou pela pista coberta de neve com estrondo, decolando e recolhendo as rodas. Tomou altura vertiginosamente, rumo ao espaço, deixando atrás uma esteira de fumaça.
*******

(Continua)
Click nas imagens para aumentar



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)