quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Gilgamesh, O imortal - Continuação - O fim do horror


"Teu planeta está a salvo. Os korios não voltarão a esta região do cosmos depois deste desastre.
Tu eras o custodio da super vivência humana."

"Tua fraqueza poderia ter sido fatal. No universo quase nunca há duas oportunidades."












"Ele roubara-me um grande crime por grande piedade por mim e pouca por si mesmo."


"Novamente eu tinha falhado no meu encontro com o destino"

FIM

Gostaram? (Como sempre, click para aumentar)
*******

6 comentários:

  1. Fim da história. E a moral é a seguinte: não é a idade, nem a imortalidade que tornam alguém sábio. A sabedoria reside em ter ou não ter massa cinzenta. Gilgamesh, apesar de imortal, está longe de alcançar a sabedoria. O marciano desdentado, apesar de mortal (e já pensar na possibilidade da morte) mostrou-se muito mais lógico. Ou pragmático. Isso é sabedoria.

    ResponderExcluir
  2. Claro.
    Gilgamesh, apesar de imortal e muito vivido, ainda era um sumerio atrasado mentalmente.

    ResponderExcluir
  3. Mas era (ou é) MUITO VELHO! E se não alcançou a sabedoria com toda essa idade então... ou era MUITO BURRO também, ou seria um problema congênito dos sumerianos...

    ResponderExcluir
  4. Tal vez. Não esqueçamos que antes de tudo ele era um rei, e um rei deve ser magnânimo.

    ResponderExcluir
  5. Mestre, quando foram desenhados estes quadrinhos? Eles têm um estilo meio antigo, estou errado?

    ResponderExcluir
  6. Não está errado, caro padawan, foram desenhados no inicio dos anos 60 e publicados por uma editora que acho (o google está aí para isso) que não existe mais. Editora Columba de Argentina.
    Entre no link do filme feito pelos fâs, que está na primeira postagem... acho. Este Dr. Alzheimer!!

    ResponderExcluir

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)