segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Primeiros em Marte em 2013

Esta é a capa de Mundos Paralelos, escrita por Gabriel Solís e desenhada por André Lima, que transformou o texto numa revista em quadrinhos ainda inêdita.

A história começa em 2013, mas tem vários flashbacks do passado remoto, como este da página 2:


70 milhões de anos atrás
Pru Atol Número Um era um cientista e explorador famoso do Império de Milkar. Um dia, o Imperador ordenou-lhe que partisse a explorar a galáxia vizinha.
Pru obedeceu; despediu-se da sua família e embarcou na mais moderna nave de transdobra já construída, com grande número de tripulantes, cientistas e militares.
Naquela época os engenheiros espaciais milkaros recém tinham desenvolvido a transdobra. Ainda não a dominavam bem e não havia como saber se ao retornarem o tempo seria o mesmo ou teriam se passado milhões de anos. A nave de Pru era a primeira assim equipada e poderia acontecer qualquer coisa. Mas os milkaros eram; e são; uma raça forte e decidida; adoram desafios e não temem a morte. São motivados pelos deuses, pelo destino da sua raça empenhada em conquistar o cosmos. Dominam parte da sua própria galáxia, e querem mais. São curiosos.
A nave, grande como uma cidade, entrou no espaço intergaláctico e decompôs a oscilação do Tempo, adiantando-o para os que ficavam. Encontrou uma anomalia espaço temporal instável que o trouxe a nossa galáxia, onde após um tempo achou um planeta azul, o terceiro de uma pequena estrela amarela com dez planetas.
Os milkaros examinaram o setor e comprovaram que não voltariam ao seu mundo no tempo que ainda tinham de vida. Mas foram práticos, conseguiram fazer os ajustes no sistema de transdobra, e quando seus descendentes conseguissem retornar, o estudo estaria completo e as próximas naves não mais se perderiam no tempo.
Sabiam que estavam sacrificando-se pelo bem da sua raça. Prosseguiram sua missão sabendo que conseguiram parte do seu objetivo e retomaram o programa original.
Examinaram o sistema, começando pelo pequeno planeta azul. E foi naquele planeta azul, numa linda manhã, que Pru deixou seus ossos, na margem pantanosa de um rio.
Um bando de enormes monstros herbívoros mastigava vegetação quando um perigoso carnívoro aproximou-se e produziu-se uma debandada. Os exploradores dispararam suas armas contra as bestas em fuga para não serem atropelados. Por azar, o carnívoro viu aqueles pequenos seres brilhantes. Pru sacou a pistola e atirou bem na cabeça do monstro, que desabou sobre ele, afundando ambos no barrento rio. Algum tempo depois, os cadáveres dos milkaros mortos foram resgatados, mas Pru, apesar dos esforços de seus companheiros, não pôde ser encontrado.
E assim, ao ver que este planeta era perigoso, encerraram ali a aventura, antes que algo pior acontecesse e não pudessem levar a valiosa informação ao seu povo. Com a lembrança de Pru nos seus corações de silício, seus camaradas empreenderam a volta à distante galáxia, que nós conhecemos pelo nome de M31: Andrômeda.
*******.

2 comentários:

  1. Gostei da imaginação do enredo.
    Poderia até ser um conto de ficção no estilo Alem da Imaginação ou The Outer Limits, porem sem colocar os humanos no meio (ou quase).
    Continuando a sua historia no meu ponto de vista, poderia ser assim.
    Milhões de anos depois um grupo de arqueologos (humanos)teria encontrado em meio aos fosseis das criaturas pré-historicas, fosseis de uma outra criatura totalmente diferente e pelos traços de objetos proximos ao fossil concluiriam que se trata de um ser inteligente, só ficariam sem saber qual seria a historia de vida desse ser, se seria alguma forma de vida originaria da Terra que se desenvolveu no mundo pré-historica e que seria o unico até o momento a ser descoberto ou seria um visitante do espaço, e se foi do espaço, eles ainda existem passado milhões de anos e de onde seriam?
    Pergunta essas que jamais se saberá.
    De um visitante de nome Pru, que abandonou seus familiares de um mundo muito distante e que infelizmente em sua exploração nesta nova galaxia, morreu aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Sergio. Nos próximos volumes as história de Pru será desvendada, de onde ele veio, a história da sua espécie, e seus descendentes, que não desistiram de procurar seus restos. Em determinado momento um dos descendentes de Pru, se deparará com os humanos. Acompanhe a história desde o inicio, quando os paleontólogos russos encontraram a caveira fossilizada de Pru:
      http://sarracena.blogspot.com.br/2009/09/mundos-paralelos-uma-epopeia.html

      Excluir

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)