domingo, 6 de setembro de 2009

Mundos Paralelos - Introdução - por Gabriel Solís

Introdução
O universo em que vivemos oscila em uma determinada freqüência de onda. Nos intervalos entre oscilações, existem outros universos quase iguais ao nosso.

Quando dizemos: “–Se não tivesse acontecido isto ou aquilo; teria sido assim ou de outra forma...”; Aquele “teria sido” e aquele “de outra forma” seguiram coexistindo conosco em diferente freqüência de onda. Essa outra freqüência de onda chama-se Mundo Paralelo.

É possível que em algum deles, os 300 espartanos não detivessem os persas no Passo das Termôpilas; e, portanto, há um século XX onde se fala língua persa e as mulheres vestem-se com véus e os homens com longas túnicas.

Em outro, Jesus Cristo não foi beijado por Judas e o cristianismo não veio a existir. Talvez em outro, a mãe de Cristóvão Colombo abortou e América não foi colonizada pelos espanhóis e talvez ainda existisse o império Maia, Asteca ou Inca.

Em outra realidade o Japão não atacou Pearl Harbor, senão à União Soviética em 1941, com o que o Terceiro Reich ganhou a guerra, o comunismo desapareceu e o mundo ficou diferente, com a Lua ocupada pelos alemães.

Tudo isso existe em algum ponto do tempo e do espaço. Nosso universo pode ser irreal, nós podemos não existir para os que vivem numa outra freqüência de onda; assim como eles não existem para nós. Essa é a teoria. Considerando que têm existido bilhões de pessoas; podemos imaginar a quantidade incalculável de mundos paralelos... Realidades que poderiam existir.

Já que sabemos o que é um mundo paralelo; vejamos o que aconteceu num deles; partindo do ponto em que o escritor russo Ivan Efremov parou no seu livro Naves de Estrelas.

Efremov relata a expedição paleontológica dos professores das universidades de Moscou e Leningrado (hoje São Petersburgo), Ilya Andreievitch Davydov e Aleksei Petrovitch Satrov com um grupo de estudantes em Sibéria, na década de 50. Num local acharam fósseis com marcas impossíveis; eram perfurações de raios laser, coisa utópica naqueles anos.

Sob um crânio de dinossauro com uma perfuração que o atravessava de baixo para cima, a estudante Zenja, discípula de Davydov, encontrou um fóssil que achou fosse uma casca de tartaruga.
Limpando-o, ela comprovou que era um crânio de tamanho igual a um crânio humano.
Em vez de dentes tinha um bico córneo de tartaruga.
Estava perante um ser não humano.

A pesquisa prosseguiu e encontrou objetos metálicos, entre eles um disco de três polegadas de diâmetro, de metal desconhecido. Posteriormente no laboratório de Leningrado, descobriram que o crânio não era de carbono, como os seres da Terra, porém de silício.
A limpeza do objeto trouxe nova descoberta.

Olhando em determinado ângulo, aparecia a imagem tridimensional de um ser, talvez o dono do crânio em vida, calvo, olhos grandes e boca como um bico de tartaruga.
No verso do disco havia um símbolo de espirais e estrelas.
Mas não era tudo; perto de um rádio ligado, o disco produzia interferência.
O objeto era indestrutível, não havia como abri-lo com nada fabricado na Terra.

Ivan Efremov não dá detalhes sobre o destino do disco e do crânio do alienígena jurássico.
Ambos objetos ficaram num armário do museu da Universidade de Leningrado, esquecidos, para serem reencontrados apenas no século XXI.
Como chegou aí o homem de silício?
Devemos recuar no passado, até a época do estrato do solo em que o local paleontológico foi achado: setenta milhões de anos...!

*******.
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)