sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Mundos Paralelos - Capítulo I - 1.1


Extremo sul do Planeta Terra – 13 de fevereiro de 2013
Os verdes olhos da capitã Olga Marina Mara Santos moveram-se com vivacidade no seu rosto bronzeado, demarcado pelo seu longo cabelo castanho escuro; primeiro ao termômetro e depois ao altímetro.
–Setenta graus negativos e estamos a mil metros de altitude.
–Entramos em território antártico – disse a loira engenheira Ingeborg Inge Stefansson, sacerdotisa odínica norueguesa, na poltrona do co-piloto.
–Falta pouco para ver as luzes da cidade, Inge – Mara já demonstrava um pouco de cansaço pela tensão da pilotagem.
–Não vejo a hora de chegar – interveio a jovem psicóloga italiana Regina Lúcia Cardelino, desde o compartimento posterior, onde estavam às engenheiras gêmeas chilenas Bárbara e Linda Blanes.
Embaixo delas a branca paisagem passava a mil quilômetros por hora. Estavam aquecidas. A temperatura a bordo do avião antártico ainda era a do cálido Brasil, onde poucas horas antes as cinco moças tomaram seu café da manhã no restaurante da Faculdade de Eletrônica e Cibernética de Blumenau. No dia anterior terminaram os cursos e passaram com louvor. Estavam no restaurante quando sua colega Marília Mendes e entregou-lhes um e-mail recém chegado da Antártida:
“–Parabéns, meninas estudiosas, precisamos de todas aqui. Temos surpresa. Há um avião disponível no lugar discreto de sempre, para que venham hoje mesmo. Esperamos vocês. Aldo. – Ao final venceremos!”.
–Finalmente! – Inge estava feliz – Voltamos para casa!
–Você verá o meu irmão de novo – disse Mara.
–Já era tempo – suspirou Regina – um ano sem nossos homens é demais!
–Também terminaram os cursos em Cidade Lunar – acrescentou Bárbara.
–Então seu marido virá logo, Marília – disse Linda em português – parece-me que o vejo com sua farda da Força Aero Espacial Brasileira.
–Capitão Breno Mendes, futuro herói do espaço – disse Inge, sonhadora.
–Terá uns dias de folga antes de ir para Antártida.– disse Marília esperançosa.
–Claro – garantiu Mara – mas agora precisamos ir ao esconderijo, abastecer o avião e fazer um plano de vôo para furar o bloqueio.
–Eu não vou com vocês desta vez – disse Marília.
–Por quê?
–Vou esperar Breno aqui mesmo, Inge, para irmos juntos até Porto Seguro.
–Lua de mel no paraíso, então?
–Mas é claro! Em Antártica, não haverá sol nem praia, garotas!
–Bom proveito; amiga! – disse Regina com um sorriso malicioso.
Ao entardecer todas foram de carro para uma fazenda no oeste, propriedade de um amigo da Causa, onde o poderoso avião Martelo-I estava oculto dos satélites de vigilância, embaixo de árvores ainda não desfolhadas pelos venenos vindos do Norte.
Protegidas pela camuflagem, decolaram rumo sul e sobrevoaram os ainda verdes campos do Rio Grande do Sul e depois, sobre o oceano, observaram à direita as pradarias do Uruguai, as luzes de Montevidéu e parte da Argentina. No estreito de Magalhães, elevaram-se rapidamente para ficar por cima de dois aviões F-117 chamados “invisíveis” do Governo Mundial que surgiram de repente.
No rádio escutou-se a voz de um dos pilotos inimigos:
–Undentified ship! You are invading restricted aerial space! Changue your course or it will be abated!

(continua)
Click nas imagens para aumentar
Mundos Paralelos ® – Textos: Gabriel Solis - Arte: André Lima.
Veja a apresentação clicando aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei a todos os comentários.
Não se acanhe por causa da moderação. Se gostou, comente. Se não gostou critique, mas critique com criatividade, assim pode ser que seu comentário permaneça no blog por tempo suficiente para todos verem.
(As opiniões dos comentários não necessariamente refletem as minhas e às vezes nem as do autor dos comentários...)